Pedido de IPO deve originar bilhões de dólares para fundadores da Robinhood

Abertura vem em momento de grande crescimento, mas profunda turbulência para a empresa .

Sergei Klebnikov e Eliza Haverstock
Compartilhe esta publicação:
Kittu Kolluri
Kittu Kolluri

Baiju Bhatt (à esquerda) e Vladimir Tenev se conheceram na Universidade de Stanford; ambos já são bilionários graças ao crescimento da empresa

Acessibilidade


A plataforma de investimentos Robinhood, pioneira nas negociações de ações sem cobrança de comissão nos Estados Unidos, entrou com seu aguardado pedido de IPO na tarde da última quinta-feira (2). A empresa informou que obteve US$ 959 milhões em receita com o crescimento do número de investidores de varejo em 2020 – um aumento de 245% em relação a 2019.

O pedido também revelou um plano de premiação de ações restritas carregado de incentivos que poderia render aos cofundadores da plataforma, Vlad Tenev e Baiju Bhatt, bilhões de dólares nos próximos anos. No final de maio, o conselho da Robinhood aprovou prêmios de 22,2 milhões e 13,3 milhões de ações restritas para Tenev e Bhatt, respectivamente, que serão adquiridos ao longo de oito anos após seu IPO, dependendo do desempenho dos papéis da empresa.

Se Tenev e Bhatt conseguirem obter o preço máximo da faixa estabelecida para as ações, que varia de US$ 120,00 a US$ 300,00 por ação, o prêmio total poderia valer mais de US$ 7,5 bilhões. Tenev deve faturar cerca de US$ 4,7 bilhões, enquanto Bhatt deve faturar mais de US$ 2,8 bilhões.

Tenev e Bhatt, que se conheceram na Universidade de Stanford, em 2005, já são bilionários. Eles apareceram pela primeira vez na lista de bilionários da Forbes no ano passado, quando a plataforma foi avaliada em mais de US$ 11 bilhões em uma rodada de financiamento de agosto de 2020. Cada cofundador possui uma participação estimada de 10%, o que lhes dá um patrimônio líquido de US$ 1 bilhão, respectivamente, de acordo com as estimativas da Forbes.

Outro ponto interessante do registro de IPO da Robinhood é a divulgação de detalhes da investigação sobre as restrições impostas às transações das “ações meme” no início de 2021.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

De acordo com o documento, o CEO Tenev e outros funcionários da empresa receberam pedidos de informações e intimações relacionadas às restrições envolvendo alguns papéis, como os da varejista de videogames GameStop e os da rede de cinemas AMC Entertainment. As solicitações vieram do gabinete do Distrito Norte da Califórnia da Procuradoria-Geral dos EUA, do Departamento de Justiça, da Comissão de Valores Mobiliários norte-americana (SEC, na sigla em inglês), da Finra (Autoridade Regulatória da Indústria Financeira, na sigla em inglês), do gabinete do Procurador-Geral de Nova York e de outras procuradorias-gerais estaduais. “Um mandado de busca e apreensão foi executado pela Procuradoria-Geral dos EUA para obter o telefone celular do Sr. Tenev.”, afirma a empresa em seu prospecto.

As investigações mostram como o IPO da Robinhood e a sua valorização ocorrem em um momento de rápido crescimento e profundos problemas para a empresa.

Desde o início da pandemia, os negócios da Robinhood cresceram em ritmo quase exponencial. O número de usuários ativos chegou a impressionantes 18 milhões, impulsionado pelos membros da geração millennial que adotaram o aplicativo para negociar ações gratuitamente durante a quarentena. O boom na negociação de ações fez o valor de mercado avaliação da Robinhood inflar após várias rodadas de financiamento, com a empresa levantando um total de US$ 5,6 bilhões no ano, de acordo com a Crunchbase. As ofertas secundárias de ações feitas em fevereiro, antes de seu IPO, renderam à empresa uma avaliação de até US$ 40 bilhões.

The app is at the center of an unprecedented rise in retail trading, particularly options trades. Revenues rose about eightfold from just $77 million in the fourth quarter of 2020, to $552 million in the first quarter of 2021. The app-based brokerage’s total users now compare to established players like E-Trade and Charles Schwab.
O aplicativo está no centro de um aumento sem precedentes do número de investidores do varejo, particularmente nas negociações de opções. As receitas aumentaram cerca de oito vezes, de US$ 77 milhões no quarto trimestre de 2020 para US$ 552 milhões no primeiro trimestre de 2021. O total de usuários da corretora agora se compara a empresas estabelecidas, como E-Trade e Charles Schwab.

Outras linhas de negócios estão crescendo rapidamente. O empréstimo de títulos, por exemplo, gerou uma receita de US$ 35 milhões no primeiro trimestre, um aumento de 448%.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Devido ao seu crescimento vertiginoso, especialmente nas áreas de maior risco do mercado, a Robinhood teve diversos problemas técnicos e foi alvo de investigações regulatórias sobre suas ofertas.

Um dia antes de seu pedido de IPO ser aprovado, a empresa recebeu uma multa de quase US$ 70 milhões da Finra. O órgão revelou como a empresa havia perdido parte do dinheiro dos usuários devido a falhas sistêmicas durante os dias de negociação. “Apesar da Robinhood declarar que sua missão é ‘desmistificar finanças para todos’, durante certos períodos que vão desde setembro de 2016, a empresa foi negligente e forneceu informações falsas e enganosas aos seus clientes”, escreveram os reguladores em um comunicado à imprensa. Trata-se da maior multa já aplicada pela Finra.

Em junho de 2020, a Forbes relatou pela primeira vez que um cliente Robinhood de 20 anos se suicidou depois de ver um saldo negativo de US$ 730 mil em sua conta devido à negociação de opções. Dois dias depois, os fundadores da Robinhood divulgaram um comunicado prometendo restringir os critérios de elegibilidade para o uso da plataforma, ampliar seus recursos educacionais e atualizar sua interface de usuário. A família do cliente, Alex Kearns, processou a empresa em fevereiro por homicídio culposo.

Além disso, a Robinhood está sob intenso escrutínio sobre como obtém lucro. Em agosto passado, uma investigação da Forbes revelou que a maior parte da receita da plataforma veio de negociações de opções especulativas extraordinárias. Uma grande parte dos negócios da Robinhood é vender as ordens de seus clientes para empresas gigantes do setor, como a Citadel Securities. O chamado PFOF, ou “pagamento por fluxo de pedidos”, constituiu a maior parte da receita da empresa no trimestre do ano passado, segundo a Forbes, com as negociações de opções sendo as mais lucrativas.

De acordo com o pedido de IPO, mais de 80% das receitas de transações da empresa vieram de um punhado de firmas de algotrading como Citadel Securities, Susquehanna International Group, Jump Trading, Wolverine Holdings e outras. A Citadel Securities, de propriedade do bilionário Ken Griffin (que tem um patrimônio líquido de US$ 16,1 bilhões), é o maior cliente da Robinhood, respondendo por 27% da receita total de transações.

Em meados de dezembro, a SEC multou a Robinhood em US$ 65 milhões por não divulgar, até o prazo de dezembro de 2018 seus negócios com essas empresas. A Robinhood não admitiu nem negou as acusações da SEC. A judicialização é frequente na história da Robinhood e está vindo à tona à medida que a empresa se torna pública. O documento apresentado pela empresa lista um total de 49 ações judiciais e investigações regulatórias sobre negociações de opções, aquisições de contas, interrupções de negociações e as restrições que impôs à negociação de ações memes.

Para resolver seus problemas, a Robinhood investiu pesadamente na infraestrutura de compliance e atendimento ao cliente. No entanto, essa decisão teve um custo. Em 2020, as despesas operacionais aumentaram 246%, para US$ 945 milhões. Apenas no trimestre mais recente, essas despesas chegaram a US$ 463 milhões.

O prospecto do Robinhood menciona o risco de a sua base de usuários já ter atingido o pico. Antes, os números de usuários ativos mensais e diários eram de cerca de 20 milhões e 10 milhões, respectivamente. Agora, os usuários mensais chegam a 18 milhões e os usuários diários, a 8 milhões, segundo dados de 31 de março.

Os clientes também têm a possibilidade de sacar seu dinheiro. Cerca de 206 mil clientes da Robinhood retiraram um total de US$ 4,1 bilhões da corretora no primeiro trimestre de 2021, o que representa 5% dos ativos totais sob custódia.

Hoje, a Robinhood concorre com as principais corretoras de baixo custo, incluindo Fidelity, E-Trade, TD Ameritrade e Charles Schwab – todas as quais reduziram suas taxas de comissão para zero. As startups rivais da Robinhood incluem Webull e Acorns, que anunciaram um acordo de US$ 2,2 bilhões com uma SPAC no final de maio.

Embora o IPO da Robinhood possa atrair mais atenção, fintechs de todos os tipos estão buscando a atenção dos mercados neste ano. Dois exemplos: a emissora de cartão de débito Marqeta concluiu um IPO em meados de junho que fez de seu fundador bilionário, e a Flywire, uma empresa que ajuda organizações a aceitar pagamentos em moeda estrangeira, fez um IPO com avaliação de US$ 3,5 bilhões em maio. Os primeiros três meses de 2021 estabeleceram um recorde trimestral para as fintechs, de acordo com a CB Insights.

Há mais riqueza à vista – especialmente para o par que fundou a Robinhood. Lançado em 2013 com a missão de “democratizar o financiamento para todos”, a Robinhood pode render bilhões aos seus cofundadores quando abrir seu capital.

Se a própria Robinhood se tornar a nova ação meme do momento, ela poderá atrair investidores. A empresa afirma em seu prospecto que reservará até 35% de seu IPO para seus clientes comprarem suas ações na própria plataforma.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: