Rede de livrarias Leitura apresenta crescimento mesmo durante a pandemia

Originária de Belo Horizonte, Leitura tem 83 lojas, 300 mil títulos e planeja vender 6 milhões de livros em 2021

Décio Galina
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Unidade da livraria Leitura em Brasília – rede pretende fechar 2021 com 92 lojas físicas

Acessibilidade


Após encerrar o ano passado com a abertura de 14 novas lojas (e o fechamento de duas), a rede mineira de livrarias Leitura – a maior rede em unidades físicas do país – mira o fim deste ano com o total de 92 lojas no país e um crescimento que deve ficar entre 20% e 25% em relação a 2020. A expectativa é vender 6 milhões de livros. A rede é fruto da história de uma família de 15 irmãos, originária da zona rural do pequeno município de Dores do Indaiá (MG).

A seguir, entrevista com Marcus Teles, sócio-presidente da Livraria Leitura.

Forbes: Qual é a maior unidade no Brasil e quantos livros a rede possui?

Marcus Teles: Com a abertura da unidade de Uberlândia (MG), no início de abril totalizamos 83 lojas. A maior loja é a do Shopping RioMar, em Fortaleza (CE), com quase 2 mil metros quadrados. Na Leitura, temos mais de 300 mil títulos de livros, considerando edições esgotadas no mercado.

F: Como explica a rede crescer em 2020 mesmo com o cenário adverso?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

MT: Apesar da crise, a Leitura cresceu pois já vínhamos em uma curva ascendente nos últimos anos. A este fato se juntou a oportunidade oferecida pelo mercado com a saída de dois grandes players [Cultura e Saraiva] do setor.

F: Quais são as próximas cidades que devem receber a Livraria Leitura?

MT: Vamos inaugurar em abril as lojas do Shopping Barra Sul, em Porto Alegre (RS), e no Shopping Grande Rio, em São João do Meriti (RJ). Em maio, vamos ao Shopping Interlagos, em São Paulo (SP), e Shopping Tijuca, no Rio (RJ). Para junho, mais duas: Shopping Caruaru North, em Caruaru (PE), e Shopping Jardim Sul, em São Paulo (SP). Em julho, estaremos no Shopping RioMar, em Recife (PE), e Rio Sul, no Rio.

F: Como a pandemia alterou os hábitos de leitura do brasileiro?

MT: As pessoas passaram a ler mais livros em casa. As vendas online cresceram mais de dez vezes e passamos a oferecer facilidades como vendas por delivery, WhatsApp e mídias sociais.

F: Quais são os gêneros mais vendidos?

MT: Já tivemos épocas na qual livros religiosos eram os best sellers; em outros momentos, foram os influenciadores digitais. Agora, os mais vendidos são os clássicos, HQs e os que fizeram sucesso em séries de TV, como “The Witcher”.

F: Como nasceu a Livraria Leitura, em 1967?

MT: Vindos de Dores do Indaiá, meu irmão Emídio junto com o primo Lúcio abriram a primeira loja com o nome de Livraria Lê. Tinha cerca de 40 metros quadrados e ficava na Galeria do Ouvidor, centro de BH.

F: Quais foram as principais dificuldades no início e agora?

MT: No início, foi abrir uma livraria sem capital e com livros usados. Hoje, as maiores dificuldades estão ligadas à pandemia e à concorrência desleal de sites multinacionais que chegam a vender livros abaixo do preço de custo.

Reportagem publicada na edição 86, lançada em abril de 2021

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: