Senado dos EUA aprova projeto de lei que barra produtos de Xinjiang, na China

Senate TV/Handout via Reuters
Senate TV/Handout via Reuters

Assessores republicanos e democratas disseram acreditar que a medida terá grande apoio na Câmara

O Senado dos Estados Unidos aprovou ontem (14) uma legislação para proibir a importação de produtos da região chinesa de Xinjiang, o esforço mais recente de Washington para punir Pequim pelo que autoridades norte-americanas dizem ser um genocídio em andamento contra uigures e outros grupos muçulmanos.

A Lei de Prevenção de Trabalho Forçado Uigur criará uma “presunção refutável” que supõe que bens fabricados em Xinjiang são feitos com trabalho forçado, e por isso são proibidos, conforme a Lei de Tarifas de 1930, a menos que certificados de outra maneira pelas autoridades dos EUA.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Aprovada por unanimidade, a medida bipartidária transferiria o ônus da prova aos importadores. A regra atual barra produtos se houver indícios razoáveis de trabalho forçado. O projeto de lei também tem que ser aprovado pela Câmara dos Deputados antes de ser enviado à Casa Branca para o presidente Joe Biden sancionar.

O senador republicano Marco Rubio, que apresentou a legislação com o democrata Jeff Merkley, pediu à Câmara para agir rapidamente. “Não faremos vista grossa aos crimes contra a humanidade em andamento do CCP (Partido Comunista da China), e não daremos um passe livre para corporações lucrarem com estes abusos horríveis”, disse Rubio em um comunicado.

Assessores republicanos e democratas disseram acreditar que a medida terá grande apoio na Câmara, notando que esta aprovou uma medida semelhante de forma quase unânime no ano passado. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).