Xiaomi ultrapassa a Apple e se torna o segundo maior fornecedor mundial de smartphones

Quantidade de aparelhos entregues aumentou 83% no 2° trimestre em comparação com 2020

Russel Flannery
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A empresa chinesa conquistou uma participação de 17% do mercado global do segmento

Acessibilidade


A chinesa Xiaomi ultrapassou a Apple e se tornou a segunda maior fornecedora mundial de smartphones no segundo trimestre do ano, segundo a empresa de pesquisas Canalys. As entregas da companhia sediada em Pequim aumentaram 83% em comparação com o ano anterior, dando-lhe uma participação no mercado global de 17%, de acordo com o levantamento.

“Os negócios da Xiaomi no exterior estão crescendo rapidamente”, disse o gerente de pesquisa da Canalys, Ben Stanton, em um comunicado. “A quantidade de produtos fornecidos à América Latina aumentou mais de 300%; no caso da África, 150%, e da Europa Ocidental, 50%. À medida que a Xiaomi cresce, a empresa evolui. Agora, ela está transformando seu modelo de negócios com iniciativas como a consolidação de parceiros de canais e uma gestão mais cuidadosa de ações antigas no mercado de capitais.”

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“No entanto, a companhia ainda está muito voltada para o mercado de massa. Em comparação com a Samsung ou a Apple, seu preço médio de venda é cerca de 40% e 75% mais barato”, observou Stanton.

A Samsung se manteve no primeiro lugar, superando a Xiaomi com uma participação no mercado global de 19% – a sul-coreana registrou crescimento de 15% em suas vendas em relação a 2020. A Apple caiu para a terceira posição devido a um aumento morno de 1% nas vendas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O bom desempenho da Xiaomi levou seu CEO, o bilionário Lei Jun, ao primeiro lugar na nova lista dos principais CEOs da China, publicada ontem (15) pela Forbes China. O ranking é elaborado com base na performance dos preços das ações das companhias (de 2018 a maio de 2021), seu valor de mercado e indicadores como receita, lucro líquido, crescimento do lucro, retorno sobre o ativo e retorno sobre o patrimônio, tomados no período de 2018 a 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: