Ação do Enjoei cai 10,7% após prejuízo maior que o esperado no 2° trimestre

Companhia teve o pior desempenho entre as small caps em julho, com desvalorização de 25,41% .

Artur Nicoceli
Compartilhe esta publicação:
GettyImages
GettyImages

Prejuízo líquido do Enjoei no segundo trimestre somou R$ 30 milhões; tendência negativa deve permanecer em curto prazo

Acessibilidade


A ação do Enjoei recuava 10,72% às 11h38 da manhã de hoje (16), após a companhia reportar prejuízo líquido de R$ 30 milhões no segundo trimestre deste ano, dez vezes maior que a perda registrada no mesmo período de 2020, de R$ 2,7 milhões.

Segundo a analista da XP, Danniela Eiger, o prejuízo foi maior que o esperado, mas é fruto de um forte investimento que “deve ser traduzido em resultados [positivos] ao longo do tempo.”

A receita bruta da empresa fechou o trimestre em R$ 30,8 milhões, 62% maior que os R$ 18,9 milhões do mesmo período do ano anterior. Em entrevista à Forbes, Tie Lima, CEO da companhia, afirmou que “35% da receita vem de usuários que compram mais de seis vezes no mesmo mês, ou seja, aqueles que realizam mais de uma compra por semana.”

Já os novos compradores subiram 29% no período, fechando junho em 181 mil. O ticket médio dos clientes é de R$ 120. Já o número de novos vendedores também subiu para 215 mil, crescimento de 124% contra os 96 mil do ano passado.

Ainda segundo o balanço da empresa, o aplicativo do Enjoei foi baixado 5,1 milhões no segundo trimestre, 436% maior que os 944 mil downloads do mesmo período de 2020. De acordo com o levantamento do RankMyApp, a companhia foi o sexto aplicativo de compras mais procurados na PlayStore e na App Store no primeiro semestre de 2021.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Lima afirma que o maior desafio da companhia é otimizar o processo de vendas. “As pessoas primeiro precisam decidir o que vender, depois tirar foto, anunciar, fazer negócio e por fim colocar no correio; queremos otimizar esse processo, pois à medida que a gente cresce em número de vendedores, a nossa capacidade de gerar liquidez fica maior”, avalia o executivo.

A companhia planeja criar um frete acessível para vender em todo o Brasil, ampliando a logística de cobertura, e otimizando o processo de entrega. Além de focar nos clientes que costumam vender duas a três peças por mês.

As despesas com marketing atingiram R$ 15,1 milhões no 2º trimestre, 62% maior que o 1º trimestre, “em linha com nossa estratégia de sustentação do ritmo de aquisição de novos usuários e fortalecimento da marca”, apontou o balanço financeiro.

Para a analista da XP, o maior desafio do Enjoei é fazer “os investidores aprenderem e entenderem o negócio da companhia, principalmente dado que é algo ainda sendo construído”. O Enjoei está em operação há 12 anos.

Danniela avalia “que a tendência de prejuízo deve continuar no curto prazo, mas é importante monitorar indicadores como LTV/CAC [receita média que um cliente x custo de conquistar novos clientes] para entender a sustentabilidade do negócio daqui para frente”.

De acordo com um levantamento do Yubb, o Enjoei foi a small caps com pior desempenho em julho, acumulando desvalorização de 25,41%. Desde o seu IPO, em 9 de novembro, a ação da companhia acumula perda de 32,60%.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: