Alta de volumes e tarifas impulsiona receita da Rumo no 2º trimestre, mas lucro cai

A companhia anunciou que seu lucro líquido de abril a junho somou R$ 314 milhões, queda de 22,4% sobre um ano antes

Redação
Compartilhe esta publicação:

A concessionária de logística Rumo teve aumento de receitas no segundo trimestre, favorecida pelo aumento de volumes transportados e das tarifas cobradas de clientes, mas efeitos ligados à renovação da Malha Paulista pesaram no lucro.

Acessibilidade


A companhia, controlada pela Cosan, anunciou ontem (12) que seu lucro líquido de abril a junho somou R$ 314 milhões, queda de 22,4% sobre um ano antes.

LEIA TAMBÉM: CCR tem lucro ajustado de R$ 294 milhões no 2º trimestre

No relatório de resultados, a Rumo explicou que teve um ganho não recorrente de R$ 316 milhões no segundo trimestre de 2020, ligados à renovação da concessão da malha ferroviária paulista.

“Portanto, sem este efeito, o lucro líquido apresentou forte expansão ano contra ano”, afirmou a Rumo no documento.

No trimestre, o volume transportado pela companhia atingiu 17,9 bilhões de toneladas equivalentes (TKU), 9,1% maior do que um ano antes, com destaque para o crescimento de produtos industriais, que tiveram expansão de 30% a 40%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com isso, a receita líquida da companhia no período somou R$ 2,216 bilhões, expansão de 21,2% ano a ano, refletindo também o aumento de 14% das tarifas cobradas, o que a Rumo atribuiu ao repasse da alta do preço de combustíveis e às melhores negociações de contratos.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 1,196 bilhão. A margem Ebitda atingiu 54%, alta de 3,3 pontos percentuais.

VEJA MAIS: Eztec tem lucro de R$ 139,5 milhões no 2º trimestre

A Rumo mencionou que há chance de aumento das exportações de soja em cerca de 3 milhões de toneladas no segundo semestre. Por outro lado, suspendeu as previsões para transporte de milho neste ano, devido a quebras de safra severas de Mato Grosso do Sul, Paraná e Goiás, o que pode resultar em exportações menores. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: