Autoridade antitruste da China multa empresa de delivery de comida em cerca de US$ 1 bilhão

A Administração Estatal de Regulamentação do Mercado lançou uma investigação contra a empresa em abril deste ano.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Tingshu Wang/Reuters
Tingshu Wang/Reuters

Entregadores da Meituan em Pequim, China. A companhia detinha cerca de 68,2% no mercado de entrega de alimentos no país no segundo trimestre de 2020

Acessibilidade


O regulador antitruste da China multou a gigante de entrega de comida Meituan em cerca de US$ 1 bilhão por supostamente abusar de sua posição dominante no mercado, publicou hoje (6) o “Wall Street Journal”, citando fontes a par do assunto.

A penalidade pode ser anunciada nas próximas semanas, disse o jornal, acrescentando que a companhia será obrigada a reformular suas operações. A Meituan não comentou o assunto ao ser procurada pela Reuters.

LEIA TAMBÉM: Didi negocia contratação de empresa estatal de TI após pressão regulatória da China

A SAMR (Administração Estatal de Regulamentação do Mercado) lançou uma investigação contra a Meituan em abril, focando em uma prática pela qual uma empresa força fornecedores a usarem exclusivamente sua plataforma. Em abril, o SAMR impôs multa recorde de US$ 2,75 bilhões à gigante de ecommerce Alibaba pela mesma prática.

No Brasil, o Cade impediu em março o aplicativo de entrega de refeições iFood de firmar novos contratos de exclusividade com restaurantes, após a Rappi alegar que o rival prejudica a concorrência.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Meituan, que concorre com a Ele.me, apoiada pelo Alibaba, detinha cerca de 68,2% no mercado de entrega de alimentos da China no segundo trimestre de 2020, segundo a Trustdata. Os negócios da empresa também incluem compartilhamento de bicicletas, compra em grupo e avaliações de restaurantes.

Em março, a Meituan foi uma das cinco plataformas de compra em grupo multadas pela SAMR por “comportamento impróprio de preços” relacionado a subsídios. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: