Banco do Brasil tem lucro 52% maior no 2º trimestre, com menores provisões para perdas

O lucro recorrente do BB atingiu R$ 5,039 bilhões no período, com as provisões para devedores duvidosos caindo 49,8% ao ano

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Banco do Brasil teve aumento de 52,2% no lucro do segundo trimestre e anunciou que seu lucro líquido anual deve ser maior que o esperado, uma vez que as perdas inicialmente previstas devido à pandemia não estão se materializando.

O BB divulgou ontem (4) que seu lucro recorrente, que exclui itens pontuais, atingiu R$ 5,039 bilhões no período, com as provisões para devedores duvidosos caindo 49,8% ano a ano, embora tenham crescido 13,8% na base sequencial.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O banco também revisou sua previsão de lucro de 2021, de R$ 19 bilhões para até R$ 20 bilhões, uma vez que as provisões para perdas com calotes serão menores em até R$ 2 bilhões. Mesmo assim, a margem financeira deve crescer no máximo 4%, enquanto no início deste ano o BB previa alta de até 6,5%. O índice de inadimplência acima de 90 dias ficou em 1,9%, praticamente estável.

O banco registrou receita líquida de juros (receita após as despesas com depósitos serem subtraídas dos empréstimos) de R$ 14,4 bilhões, 0,6% superior ao ano anterior. O banco disse que enfrentou custos de financiamento mais altos à medida que as taxas de juros de referência subiram.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A carteira de crédito do banco cresceu 1,3% no trimestre, impulsionada pelo crédito ao consumo. O retorno sobre o patrimônio líquido, um indicador da lucratividade, foi de 14,4%, pouco abaixo do trimestre anterior. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: