Boletim Focus: projeção para Selic sobe a 7,5% em 2021 com inflação mais alta

De acordo com BC, os apertos seguidos nos juros básicos são necessários para levar a Selic para patamar acima do neutro

Redação
Compartilhe esta publicação:
Diego Vara/Reuters
Diego Vara/Reuters

Consumidores fazem compras em supermercado de Porto Alegre em meio a disseminação da Covid-19

Acessibilidade


O mercado elevou a projeção para a taxa Selic a 7,50% tanto ao final de 2021 quanto no de 2022, enquanto a expectativa para a inflação neste ano superou 7%, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central hoje (16).

A projeção anterior para a taxa básica de juros era de 7,25% para ambos os anos. A mudança vem na esteira da indicação do BC de que apertos seguidos e sem interrupção nos juros básicos são necessários para levar a Selic para patamar acima do neutro, para que assim as projeções de inflação fiquem na meta.

LEIA TAMBÉM: Cosan reporta lucro de R$ 942,4 milhões no 2º trimestre

O comentário foi feito na ata da reunião de política monetária em que o BC elevou os juros em 1 ponto percentual, a 5,25%.

Em meio às pressões inflacionárias no país, os especialistas consultados passaram agora a ver alta de 7,05% do IPCA em 2021, de 6,88% antes. Para 2022 a estimativa subiu a 3,90%, de 3,84%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O centro da meta oficial para a inflação em 2021 é de 3,75% e para 2022 é de 3,50%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), as estimativas de crescimento tiveram ligeiro ajuste para baixo, a 5,28% e 2,04% respectivamente, de 5,30% e 2,05% no levantamento anterior. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: