Cielo passa de prejuízo para lucro no 2º trimestre

A Cielo passou de prejuízo para lucro no segundo trimestre, com a recuperação da atividade brasileiro aliviando parcialmente a pressão sobre as margens da maior empresa de pagamentos do país, acossada pela concorrência crescente.

A empresa afirmou ontem (2) que teve lucro líquido de R$ 221,5 milhões no período, ante prejuízo de R$ 58,9 milhões um ano antes. No resultado atribuível à Cielo, o lucro somou R$ 180,4 milhões, ante prejuízo de R$ 75,2 milhões em igual etapa de 2020. Em termos recorrentes, foi o terceiro trimestre seguido de alta do lucro no comparativo anual e alta de 32,8% na comparação com o trimestre imediatamente anterior.

LEIA TAMBÉM: Contratação nos EUA pode ter desacelerado em julho em meio a salto da Covid, mostram dados

A melhora do resultado refletiu o ritmo melhor das vendas do varejo no país que, embora tenham sido afetadas por uma segunda onda da Covid-19, no conjunto foram melhores na comparação com o segundo trimestre de 2020, o pior momento da crise desencadeada pela pandemia no país.

A receita líquida da companhia, por exemplo, cresceu 14,8% ano a ano, para R$ 2,81 bilhões. E o resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda), deu um salto de 145,9%, a R$ 580,8 milhões.

Ainda assim, a recuperação das vendas no país foi suficiente apenas para que o volume processado pela Cielo voltasse aos mesmos níveis do segundo trimestre de 2019.

Em outra frente, o yield de receita da Cielo, uma medida de margem operacional, ficou em 0,71%, ante 0,79% um ano antes, negativamente influenciado pelo aumento da competição. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).