Confiança do consumidor dos EUA despenca para menor patamar dos últimos dez anos

Resultado reflete preocupação dos norte-americanos diante de perspectivas gerais, desde finanças pessoais até inflação e emprego.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Recuperação econômica dos EUA tem mostrado sinais de desaceleração, o que preocupa o consumidor norte-americano

Acessibilidade


A confiança do consumidor dos Estados Unidos caiu drasticamente no início de agosto para seu patamar mais baixo em uma década, com a hesitação dos norte-americanos frente às perspectivas gerais, que vão desde finanças pessoais até inflação e emprego, mostrou uma pesquisa hoje (13).

A Universidade de Michigan informou que seu índice preliminar de confiança do consumidor caiu para 70,2 na primeira metade deste mês, ante leitura final de 81,2 em julho, o menor patamar desde 2011 e uma das seis maiores quedas nos últimos 50 anos de pesquisa. Economistas consultados pela Reuters esperavam que o índice permanecesse em 81,2.

VEJA TAMBÉM: Preço ao consumidor nos EUA desacelera em julho, mas inflação permanece alta

O crescimento econômico ainda deve avançar este ano em seu ritmo mais rápido em quatro décadas, depois de cair em uma breve recessão em 2020 causada pela pandemia do coronavírus.

No entanto, a recuperação está mostrando indícios de desacaleração e os casos de Covid-19 dobraram nas últimas duas semanas, atingindo um pico de seis meses, à medida que a variante Delta, que é mais transmissível, se espalha rapidamente por todo o país. A escassez de mão de obra no setor de serviços também persiste, enquanto as interrupções na cadeia de suprimentos continuam. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: