Elon Musk ataca Apple e nega que tenha exigido se tornar CEO da gigante de tecnologia

Yasin Ozturk/Getty Images
Yasin Ozturk/Getty Images

Ao se pronunciar, Musk está entrando em um debate polêmico sobre o poder da Apple sobre os fabricantes de aplicativos

O CEO da Tesla, Elon Musk, atacou a prática (considerada polêmica) da Apple de cobrar comissões dos fabricantes de aplicativos do iPhone na última sexta-feira (30). A inesperada crítica vem ao mesmo tempo em que Musk nega os rumores de que discutiu a venda da Tesla para a Apple há cinco anos – teria dito que só faria um acordo se substituísse o CEO da Apple, Tim Cook, no comando da gigante da tecnologia.

Em um tuíte na tarde de sexta-feira, Musk disse que as taxas da Apple para compras na App Store eram um “imposto global da Internet”, dando suporte à Epic Games, que atualmente está processando a Apple pelo sistema de comissão.

Não está claro por que Musk – que costuma usar o Twitter para opinar sobre tópicos aleatórios – escolheu atacar a empresa de tecnologia. Mas, horas antes, o “Los Angeles Times” publicou uma história surpreendente sobre uma suposta conversa explosiva entre Musk e Cook, parte da crítica do jornal acerca de um livro sobre a Tesla, escrito pelo repórter do “Wall Street Journal” Tim Higgins que será lançado em breve.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Higgins escreveu que Cook sugeriu comprar a Tesla, que na época lutava para alcançar lucros, em um telefonema antes do lançamento do Modelo 3 de 2016 da montadora, mas Musk insistiu em se tornar CEO da Apple como condição para a venda, levando Cook a dizer “f***-** você” e desligar na cara de Musk.

Musk negou a história e chamou o livro de Higgins de “falso” e “chato”: o CEO da Tesla disse que nunca falou com Cook, alegando que estava aberto a vender sua empresa para a Apple anos atrás, mas Cook recusou o convite para falar.

Cook afirmou à Kara Swisher, repórter do “New York Times”, no início deste ano que nunca falou com Musk, embora tenha expressado “grande admiração e respeito pela empresa que construiu”.

A Forbes entrou em contato com a Apple e a Tesla para comentar o assunto, mas não obteve resposta.

Musk afirmou que fez uma investida malsucedida para falar com Cook em dezembro passado, depois que a Reuters informou que a Apple pretendia começar a fabricar carros autônomos em 2024. O CEO da Tesla afirmou que procurou Cook para propor uma aquisição durante os “dias mais sombrios do Modelo 3 [da Tesla]”, que levou a dificuldades de produção e fortes perdas para a montadora em 2017 e 2018. Cook se recusou a conversar sobre o assunto, disse Musk. Desde então, a receita e a capitalização de mercado da Tesla cresceram substancialmente.

“Houve um momento em que pedi para me encontrar com Cook para falar sobre a compra da Tesla pela Apple”, Musk tuitou na tarde de sexta-feira. “Não existiam quaisquer condições de aquisição propostas.”

Ao tomar o partido da Epic Games em sua disputa contra a Apple, contudo, Musk está entrando em um debate polêmico sobre o poder da Apple sobre os fabricantes de aplicativos. A Apple e o Google cobram comissões de 15% a 30% para todas as compras de aplicativos em suas lojas para iPhone e Android, respectivamente. Os designers de apps e alguns funcionários do governo dos EUA consideram o sistema anticompetitivo, mas as duas empresas de tecnologia argumentam que as comissões estão alinhadas aos padrões da indústria e suas políticas restritivas garantem que as lojas de aplicativos sejam seguras e fáceis de usar.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).