Forbes Radar: Apple, Magazine Luiza, BB, Hapvida, Ambev e outros destaques corporativos

Últimas notícias sobre: Claranet, Rivian, Microsoft, Petrobras e Vibra Energia.

Artur Nicoceli
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (30), a Engie Brasil iniciou suas operações no Estado do Paraná, após aprovação do Operador Nacional do Sistema Elétrico; enquanto a Embraer começou a prestar serviços em Budapeste, criando um centro de desenvolvimento de projetos na Europa.

Ao mesmo tempo, a Caixa e o Banco do Brasil informaram que pretendem sair da Febraban, órgão representante do setor bancário no país, por conta de opiniões políticas da instituição.

E, por fim, a Randon e Fras-le criaram a NewCo, companhia especializada em produção de nanopartículas de nióbio em larga escala.

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Claranet

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A provedora de serviços de computação em nuvem, cibersegurança e dados Claranet Technology pediu registro para uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), em busca de recursos para crescer via aquisições, segundo prospecto da operação publicado na última sexta-feira (27) na CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

venda de ações novas para comprar outras empresas, usando o restante para financiar seu crescimento orgânico e para pagar despesas.

A oferta, a ser coordenada por Itaú BBA, BTG Pactual, XP e Morgan Stanley, servirá também para que o Claranet Group, RW Brasil, Oria Tech e os acionistas pessoas físicas José Maurício Cascão e Sidney da Costa Breyer vendam uma participação.

Em abril, a Claranet anunciou a compra da Mandic, pioneira em internet no Brasil, pouco mais de dois meses após ter captado US$ 100 milhões com foco em ampliar suas operações no Brasil, onde fez 3 das 30 aquisições dos últimos 9 anos.

Rivian

A empresa de veículos elétricos financiada pela Amazon, Rivian, está buscando uma avaliação de US$ 70 a 80 bilhões em sua oferta inicial de ações, disse uma fonte com conhecimento do assunto à Reuters na última sexta-feira (27).

A Rivian enviou de maneira confidencial seu plano de IPO aos órgãos reguladores dos EUA, disse a empresa em um comunicado.

A empresa busca competir com a Tesla e quer começar a produção de uma picape e uma SUV elétricas ainda este ano.

O anúncio acontece no momento em que montadoras correm para desenvolver veículos elétricos, com China, Europa e outros países e regiões exigindo a redução na emissão de carbono.

Nos EUA, montadoras tradicionais como General Motors e Ford estão reformando fábricas para produzir carros elétricos, enquanto Tesla, a taiwanesa Foxconn e várias outras startups expandem fábricas existentes ou as constroem.

No começo do mês, a Reuters publicou que a Rivian avaliava investir pelo menos US$ 5 bilhões numa fábrica no Texas.

Uma série de startups de veículos elétricos, incluindo Nikola, Fisker e Lordstown Motors, decidiram se fundir com empresas com propósito específico de aquisição, ou SPACs, para abrir o capital.

A Rivian não deu mais detalhes sobre o IPO.

A empresa captou US$ 10,5 bilhões desde o começo de 2019, incluindo US$ 2,5 bilhões em julho, em uma rodada liderada pela Amazon e pela Ford.

Apple (AAPL34)

A Apple concordou na quinta-feira em afrouxar as restrições da App Store para pequenos desenvolvedores, fechando um acordo em uma ação coletiva, enquanto aguarda uma decisão do mesmo juiz em uma disputa separada da App Store iniciada pelo desenvolvedor por trás do “Fortnite”.

O acordo inclui mudanças na forma como todos os desenvolvedores podem se comunicar com os clientes, uma questão destacada pela própria juíza no caso Fortnite.

Mas a fabricante do iPhone manteve intacta a grande maioria das práticas de negócios da App Store que foram contestadas em tribunais e órgãos legislativos. Em vez disso, desistiu de apenas US$ 100 milhões, uma pequena quantia para uma empresa de mais de US$ 2,4 trilhões, e um conjunto de restrições de marketing por e-mail que os especialistas jurídicos disseram que poderiam ser difíceis de defender.

Um grupo de desenvolvedores de software menores entrou com o processo em 2019, alegando que a Apple infringiu as leis antitruste com práticas como cobrar comissões de até 30%. A empresa com sede em Cupertino, Califórnia, disse que chegou a um acordo proposto que cobre os desenvolvedores dos EUA que ganham 1 milhão de dólares por ano ou menos, sob o qual os desenvolvedores retiram todas as alegações de que as comissões da Apple eram muito altas.

A Apple está esperando por uma decisão no caso antitruste de muito mais alto perfil movido pelo criador do Fortnite, a Epic Games. O acordo proposto na quinta-feira precisará da aprovação da juíza Yvonne Gonzalez Rogers do Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Norte da Califórnia, que deve proferir uma decisão no caso Epic.

Microsoft (MSFT34)

A Microsoft alertou a milhares de seus clientes da nuvem, incluindo algumas das maiores empresas do mundo, que intrusos podem ter conseguido a habilidade de ler, mudar ou até deletar suas principais bases de dados, segundo uma cópia do email e um pesquisador de segurança cibernética.

A vulnerabilidade está na base de dados Cosmos DB, carro-chefe do Azure da Microsoft. Uma equipe de pesquisa da empresa de segurança Wiz descobriu que conseguia acessar chaves que controlam o acesso às bases de dados mantidos por milhares de empresas. O diretor de tecnologia da Wiz, Ami Luttwak, é um ex-diretor de tecnologia do Grupo de Segurança de Nuvem da Microsoft.

Como a Microsoft não pode mudar essas chaves sozinha, enviou um email aos clientes na quinta-feira pedindo para que criassem novas. A Microsoft concordou em pagar US$ 40 mil ao Wiz por encontrar a falha e relatá-la, segundo um email enviado ao Wiz.

O email da Microsoft aos clientes disse que não havia evidência de que a falha havia sido explorada. “Não temos indicação de que entidades externas, além do pesquisador (Wiz), tiveram acesso à chave primária”, disse o email.

A equipe de Luttwak encontrou o problema, batizado de ChaosDB, em 9 de agosto e notificou a Microsoft em 12 de agosto, afirmou Luttwak.

A falha era na ferramenta de visualização chamada Jupyter Notebook, que está disponível há anos, mas foi ativada por padrão no Cosmos a partir de fevereiro. Após a Reuters publicar a falha, o Wiz detalhou a questão em um blog.

Petrobras (PETR4)

A Petrobras informou nesta sexta-feira que assinou contrato para a venda da totalidade de sua participação de 93,7% na Breitener Energética para a Breitener Holdings, uma subsidiária integral da Ceiba Energy, por R$ 304 milhões.

Segundo a estatal, R$ 251 milhões serão pagos no fechamento da transação, que está sujeito a cumprimento de condições precedentes – como aprovação pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) – e R$ 53 milhões em pagamento contingente, atrelado à remuneração futura da Breitener pela venda de energia.

A Breitener Energética, localizada no Amazonas, é uma sociedade de capital fechado que administra as companhias Breitener Tambaqui e Breitener Jaraqui, ambas especializadas na produção e comercialização de eletricidade.

As empresas são proprietárias das termelétricas Tambaqui e Jaraqui, em Manaus, que possuem capacidade instalada de 155,8 megawatts (MW) e 156,7 MW, respectivamente.

Vibra Energia (BRDT3)

O conselho de administração da Vibra Energia, antiga BR Distribuidora, aprovou nesta sexta-feira a terceira emissão de debêntures da companhia, no valor total de R$ 800 milhões, informou a empresa em fato relevante.

Segundo a Vibra, as debêntures terão prazo de dez anos a partir da data de emissão, vencendo em 11 de setembro de 2031. Elas serão vinculadas a certificados de recebíveis do agronegócio (CRAs) de emissão da Virgo Companhia de Securitização.

“A emissão das debêntures está alinhada ao direcionamento estratégico da Companhia de constante avaliação de alternativas de captação de recursos para otimização da sua estrutura de capital e financeira”, afirmou a companhia.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Unifique (FIQE3)

A Unifique aprovou um aumento de capital de R$ 45,3 milhões, passando para R$ 911,9 milhões. O valor é fruto das ações suplementares no IPO. Dessa forma, o capital social passa a ser dividido em 362 milhões de papéis.

Magazine Luiza (MGLU3)

Após encerrar um programa de recompra de ações na última quinta-feira (26) de 40 milhões de ativos a um preço médio de R$ 22,47, a Magazine Luiza começou um novo programa de mais 40 milhões de papéis, 1,41% das ações em circulação. O objetivo da operação tem como meta maximizar a geração de valor para os acionistas.

Banrisul (BRSR6)

O Banrisul (Banco do Estado do Rio Grande do Sul) criou Gerência de Sustentabilidade e impulsiona agenda socioambiental, que busca promover negócios de baixo carbono buscando a transição para uma economia mais verde – que é uma exigência cada vez maior do mercado.


Mosaico (MOSI3)

A Mosaico, dona das marcas Buscapé e Zoom, anunciou Mauricio Cascão como novo CEO do grupo. O executivo entra no lugar de Thiago Flores, que passa a ocupar um assento no conselho de administração da companhia, como observador.

Banco Inter (BIDI11)

o Banco Inter anunciou um acordo para compra da fintech norte-americana USEND, que atua em câmbio e de serviços financeiros, incluindo remessas internacionais.

Com a aquisição, o Inter planeja iniciar suas atividades nos EUA, ampliando a oferta de produtos financeiros e não financeiros para residentes norte-americanos e clientes no Brasil, integrando os serviços da fintech à sua plataforma.

O fechamento da operação, de valor não revelado, está sujeito à finalização dos respectivos instrumentos definitivos e outras condições, incluindo aprovações regulatórias.

Segundo o Banco Inter, a USEND possui licenças para atuação como ‘Money Transmitter’ em mais de 40 Estados norte-americanos e tem uma base de mais de 150 mil clientes.

Embora a maioria dos clientes do USEND sejam brasileiros que vivem nos EUA, o presidente-executivo do Inter, João Vitor Menin, disse, que a empresa terá como alvo um público amplo para competir com Chime Financial e SoFi Technologies.

O Inter também busca aquisições na Europa e na América Latina, porém ter ativos menores como fintechs, que operam com licença bancária simplificada.

Os principais executivos, incluindo o fundador e presidente-executivo da USEND, seguirão à frente à frente do processo de integração nos EUA, bem como da “expansão para mercados adjacentes como os de crédito e corretagem de valores, que estão nos planos do Inter para o território americano”.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil comunicou que foi aprovado o valor de R$ 527 milhões em JCP (Juros sobre o Capital Próprio), sendo 0,1847396 por ação, relativos ao terceiro trimestre de 2021.

Os JCP serão pagos em 30 de setembro e terão como base a posição acionária de 13 de setembro.

Caixa Seguradora (CXSE3)

A Caixa e o Banco do Brasil informaram que pretendem sair da Febraban, órgão representante do setor bancário no país, após discordarem da posição política da instituição.

Cosan (CSAN3) e Compass (PASS3)

A Cosan informou que na última sexta-feira (27) ocorreu a liquidação financeira do investimento realizado pela Atmos, em conjunto com outros investidores do seu portfólio, via aumento de capital na Compass Gás e Energia, subsidiária da Cosan, no valor de R$ 810 milhõe,s por meio da emissão de novas ações preferenciais representativas de 4,68% do capital da Compass.

Light (LIGT3)

A Light declarou que a nova diretoria da companhia é composta em:

  • Raimundo Nonato Alencar de Castro – diretor presidente e diretor de RI
  • Alessandra Genu Dutra Amaral – diretora
  • Carla Ferreira Medrado – diretora
  • Daniel Campos Negreiros – diretor
  • Déborah Meirelles Rosa Brasil – diretora
  • Gisomar Francisco de Bittencourt Marinho – diretor
  • Thiago Freire Guth – diretor

Oceanpact (OPCT3)

A Oceanpact concluiu a aquisição da UP Offshore Apoio Marítimo e da Agriex Agenciamento; a psis Consultoria Empresarial informou que a operação necessita de uma ratificação em assembleia geral – o valor da operação não foi informado.

Embraer (EMBR3)

A Embraer anunciou a abertura de um escritório em Budapeste, capital da Hungria. O objetivo é fomentar a cooperação no país, a qual poderá resultar em novas iniciativas no âmbito de novas parcerias. O escritório também cria um centro administrativo para o desenvolvimento de projetos na Europa Central e do Leste.

“A Embraer deseja aumentar sua presença na Hungria e expandir nossa rede com expoentes de alta tecnologia húngaros e outras partes interessadas, com o objetivo de estabelecer uma cooperação bem estruturada com algumas das empresas mais qualificadas e inovadoras do país”, disse Jackson Schneider, Presidente e CEO da Embraer Defesa e Segurança.

A iniciativa faz parte da estratégia da Embraer de estabelecer novas parcerias em mercados selecionados. Alguns dos principais aspectos dessa cooperação futura são os esforços de colaboração com novos parceiros, projetos de longo prazo e investimento em tecnologias confiáveis para aplicação em uso civil e militar.

Randon (RAPT4) e Fras-le (FRAS3)

A Randon aprovou a execução de um projeto para produção de nanopartículas de nióbio em larga escala, com o emprego de tecnologia proprietária, desenvolvida a partir de estudo científico realizado pelo Centro Tecnológico Randon e pelo Instituto Hercílio Randon, além da patente para a Fras-le, junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial.

A constituição de uma nova subsidiária, NewCo, cujo sócio direto será o CTR, com 100% do capital social, sendo que a companhia detém aproximadamente 55% do capital do CTR e a Fras-Le, os 45% remanescentes.

O aporte de capital ao CTR, será de R$10 milhões, pela Randon e pela Fras-le, proporcionalmente às suas participações no capital social do CTR.

Klabin (KLBN11)

A Klabin informou o início hoje (30) das operações da primeira etapa do Projeto Puma II.

A primeira etapa contemplou a construção de uma linha de fibras principal para a produção de celulose não branqueada integrada a uma máquina de papel kraftliner e kraftliner branco com capacidade de 450 mil toneladas anuais, que serão comercializados sob a marca Eukaliner®.

JSL (JSLG3)

A JSL aprovou os documentos finais da incorporação das ações de emissão da Fadel, pelo valor do seu patrimônio líquido contábil, com a emissão de novas ações ordinárias, escriturais e sem valor nominal da JSL a serem atribuídas ao Ramon Peres Martinez Garcia de Alcaraz (único acionista da Fadel).

Em 03 de agosto de 2020, a JSL celebrou contrato de compra e venda visando à aquisição de quotas representativas de 75% do capital social total da Fadel por R$ 159,4 milhões, o qual foi posteriormente aumentado em R$13,7 milhões dado que a Fadel atingiu determinadas metas no ano de 2020 estabelecidas no referido contrato.

As demais ações de emissão da Fadel não adquiridas pela JSL (representativas de 25% do seu capital social) permaneceram de titularidade do seu fundador, o Ramon Alcaraz, que continuou a atuar como o principal executivo da Fadel, liderando suas atividades e plano de desenvolvimento.

Hapvida (HAPV3)

A Hapvida informou que em decorrência da aprovação da incorporação de ações de emissão de Ultra Som Serviços, no contexto da aquisição, também dos ativos da Vida Saúde Gestão, sociedades e companhias que compõem o Grupo Promed, os acionistas terão o período entre 30 de agosto de 2021 e 29 de setembro para manifestarem a intenção de retirada. O valor de reembolso por ação é equivalente a R$ 2,107501 por ação.

Ambev (ABEV3)

O Zé Dlivery, aplicativo de entrega de bebidas da Ambev, atingiu número recorde de vendas no primeiro semestre, com 29 milhões de entregas, superando as 27 milhões realizadas no mesmo período do ano passado.

Além do Zé Delivery, o grupo criou o BEES, plataforma de vendas B2B. O serviço presta serviço para 1,8 milhões de usuários, em 12 países, e atingiu US$ 4,4 bilhões em valor bruto de vendas entre janeiro e junho. No Brasil, o BEES registrou vendas de R$ 9 bilhões.

Engie Brasil (EGIE3)

A Engie Brasilinformou que recebeu autorização do Operador Nacional do Sistema Elétrico para iniciar a operação comercial de linhas de transmissão do sistema Gralha Azul, localizado no Estado do Paraná.

Segundo a companhia, controlada pela francesa Engie, a autorização abrange as linhas 230kV de Ponta Grossa-São Mateus do Sul e Ponta Grossa-Ponta Grossa Sul. A entrada em operação das duas linhas foi antecipada em 18 meses frente ao calendário da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

A Engie espera que a finalização da implantação da totalidade do sistema de transmissão Gralha Azul ocorra ainda em 2021. O projeto prevê a construção de cerca de mil quilômetros de extensão em linhas, bem como a instalação de cinco novas subestações e a ampliação de outras cinco já existentes.

(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: