Gastos com juros em julho é o pior em 6 anos, diante de Selic e IPCA mais altos

No último mês, foi registrado R$ 45,119 bilhões, frente a R$ 5,838 bilhões na comparação anual.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Divulgação/Flicker
Divulgação/Flickr

No último mês, foi registrado R$ 45,119 bilhões, frente a R$ 5,838 bilhões na comparação anual

Acessibilidade


Os gastos do setor público consolidado com juros saltaram a R$ 45,119 bilhões, frente a R$ 5,838 bilhões no mesmo mês do ano passado, num reflexo do peso para as contas do governo de variáveis como inflação e Selic mais altas.

Este foi o pior dado para o mês desde julho de 2015, quando os juros nominais alcançaram R$ 62,753 bilhões.

Segundo o Banco Central, o dado foi também influenciado pelo resultado desfavorável com operações de swap cambial no período: a perda foi de R$ 8,9 bilhões em julho deste ano, contra um ganho de R$ 16,3 bilhões em igual período de 2020.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Diante do avanço de preços na economia, embalado por fatores como o aumento da energia elétrica e do preço de commodities, o BC já elevou a taxa básica de juros a 5,25% ao ano, ante mínima histórica de 2% no início do ano. E a sinalização é de mais apertos pela frente para ancorar as expectativas de inflação, que têm se distanciado das metas estabelecidas pelo governo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Agentes do mercado já preveem um IPCA de 7,27% este ano e 3,95% no ano que vem, conforme boletim Focus mais recente, sendo que as metas são de 3,75% e 3,50%, respectivamente, nos dois casos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual acima ou abaixo.

DÉFICIT PRIMÁRIO

O BC também divulgou nesta terça-feira que o setor público consolidado brasileiro teve déficit primário de 10,283 bilhões de reais em julho, com o rombo em 12 meses passando a 2,89% do PIB (Produto Interno Bruto). Em pesquisa Reuters, a expectativa era de um déficit menor para o mês, de 6,65 bilhões de reais. Em julho do ano passado, o déficit foi de R$ 81,071 bilhões, impulsionado pelos gastos ligados ao enfrentamento da crise de Covid-19.

Desta vez, o rombo veio por um déficit primário de R$ 16,842 bilhões do governo central e de R$ 786 milhões das estatais federais, ao passo que governos regionais tiveram superávit de R$ 7,345 bilhões. Em julho, a dívida pública bruta ficou em 83,8% do PIB, sobre 83,9% em junho. A dívida líquida, por sua vez, caiu a 60,3% do PIB, ante 60,8% no mês anterior, influenciada principalmente pelo aumento do PIB nominal, apontou o BC.

A expectativa do mercado, segundo pesquisa Reuters, era de dívida bruta de 83,7% e dívida líquida de 60,6% do PIB. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: