MP pede arresto de bens de Vale e BHP no valor da dívida de R$ 50,7 bilhões da Samarco

A Samarco pediu recuperação judicial em abril, pois não conseguiu reestruturar sua dívida após o rompimento de uma barragem em Mariana (MG).

Redação
Compartilhe esta publicação:
Washington Alves/Reuters
Washington Alves/Reuters

A Vale, assim como BHP e Samarco, não responderam imediatamente aos pedidos de comentários

Acessibilidade


O Ministério Público de Minas Gerais pediu à Justiça o arresto cautelar de bens das mineradoras Vale e BHP Group no valor dos créditos listados pela sua joint venture Samarco no pedido de recuperação judicial, de R$ 50,7 bilhões, segundo documento judicial visto pela Reuters.

A Samarco pediu recuperação judicial em abril, pois não conseguiu reestruturar sua dívida após o rompimento de uma barragem em Mariana (MG) em 2015, que deixou 19 pessoas mortas e liberou uma onda gigante de rejeitos.

LEIA MAIS: Vale vai usar equipamentos não tripulados para descaracterizar barragens

“A finalidade desta ação não é o ressarcimento do dano socioambiental, mas sim a desconsideração da personalidade jurídica da Samarco para que as suas controladoras respondam, com seus bens, pelo passivo submetido ao processo de recuperação judicial que foi usado como instrumento de manobra pelas acionistas Vale e BHP”, disse o MP no documento.

Procuradas  hoje (18), a BHP, Vale e Samarco não responderam imediatamente aos pedidos de comentários. As três empresas, porém, têm afirmado em diversos posicionamentos que a responsabilidade pelas reparações e indenizações devido ao desastre, assim como as dívidas adquiridas com esse fim, é da Samarco. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: