Varejistas brasileiros aceleram aquisições por dominância no e-commerce

Getty Images
Getty Images

Varejistas brasileiros aceleram aquisições por dominância no e-commerce

Mesmo com a reabertura das lojas físicas e a aceleração da vacinação, as companhias de varejo online seguem registrando aumento de vendas online. Segundo dados do último balanço, 56% das vendas da Via Varejo são feitas pela plataforma digital, bem acima dos 30% pré-pandemia.

“Agora os vendedores estão animados com as vendas online, uma boa parte das minhas comissões é dessas vendas”, diz Karina Ferreira Dias, vendedora de uma loja da Via Varejo na região metropolitana de São Paulo. A Via Varejo não demitiu vendedores durante os períodos de fechamento das lojas.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A estratégia do Magazine Luiza é similar. “Durante a pandemia, os vendedores do Magazine Luiza começaram a vender através de um aplicativo. Eles recebem comissões em todas as vendas, seja online, de produtos de terceiros no nosso marketplace, ou vendas presenciais,” disse Eduardo Galanternick, vice-presidente de negócios da companhia.

Desde o início da pandemia, os varejistas mais bem sucedidos estão fazendo aquisições para aprofundar suas estratégias digitais. Magazine Luiza, Via Varejo e Lojas Renner levantaram, juntas, R$ 13 bilhões em ofertas de ações, e vêm usando os recursos principalmente para aquisições.

Magazine Luiza e Via Varejo têm uma estratégia de aquisições que reforça todas as áreas do e-commerce e financiamento para enfrentar crescente competição de rivais como o Mercado Livre, uma das empresas latino-americanas de maior valor de mercado, Amazon.com e até AliExpress. Ambas construíram grandes marketplaces com dezenas de milhares de lojistas oferecendo produtos.

No mês passado, a Via Varejo concluiu a aquisição da fintech Celer para aumentar a oferta de produtos em seu aplicativo de crédito e conta digital Banqi. Desde o ano passado, comprou seis empresas e até criou um fundo de venture capital que investirá R$ 200 milhões nos próximos cinco anos em startups.

O Magazine Luiza comprou 12 empresas ano passado, das quais nove eram empresas de tecnologia. Até agora neste ano, adquiriu dez empresas, incluindo companhias de logística, fintechs e e-commerces especializados em nichos como beleza, alimentos e videogames.

As empresas estão reforçando seu serviço “omnichannel” aos consumidores, que permite flexibilidade, desde entregas rápidas a busca de produtos na loja. As lojas físicas podem ser uma arma competitiva contra as gigantes mundiais do e-commerce. O Magazine Luiza, por exemplo, abriu 23 lojas no Rio de Janeiro no mês passado e espera chegar a 50 novos pontos de venda até o fim do ano.

Mas a pandemia também teve forte impacto sobre os varejistas menos preparados. Empresas com estratégias digitais fracas e sem liquidez acabaram entrando em recuperação judicial, como a Saraiva Livreiros e a rede de eletroeletrônicos Maquina de Vendas, e analistas acreditam que a chance de saída da recuperação é baixa.

“A pandemia separou ganhadores e perdedores no varejo, e o que as empresas fizeram durante esse período vai definir seu futuro”, disse Ricardo Lacerda, presidente-executivo do banco de investimentos BR Partners, que assessorou alguns dos grandes negócios de varejo neste ano. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).