Ações da chinesa Evergrande caem à mínima em 11 anos com risco de calote

Os papéis fecharam em queda de 10,2%, após caírem 19% para seu nível mais fraco desde maio de 2010.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Os papéis fecharam em queda de 10,2%, após caírem 19% para seu nível mais fraco desde maio de 2010

Acessibilidade


As ações da chinesa Evergrande caíram hoje (20) para mínimas de 11 anos, à medida que se aproxima o prazo para vencimento de uma dívida e crescem os temores de calote.

A incorporadora tem se esforçado para levantar fundos para pagar seus muitos credores, fornecedores e investidores, com os reguladores alertando que seus US$ 305 bilhões em passivos podem gerar riscos mais amplos para o sistema financeiro do país se não forem estabilizados.

Os papéis fecharam em queda de 10,2%, após caírem 19% para seu nível mais fraco desde maio de 2010. A unidade de gestão de propriedades da empresa caiu 11,3%, enquanto a unidade de carros elétricos perdeu 2,7%. A empresa de streaming de filmes Hengten Net, da Evergrande, despencou 9,5%.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“As ações continuarão caindo porque ainda não há uma solução que pareça ajudar a empresa a aliviar o estresse de liquidez, e ainda há muitas incertezas sobre o que ela fará no caso de reestruturação”, disse Kington Lin, diretor de gestão de ativos da Canfield Securities.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um dos principais credores da Evergrande fez provisões para perdas em uma parte de seus empréstimos para a empresa, enquanto alguns planejam dar mais tempo para pagar, disseram quatro executivos de banco à Reuters.

A incorporadora disse no domingo que começou a reembolsar os investidores em seus produtos de gestão de fortunas com imóveis.

O Banco do Povo, seu banco central e o órgão de supervisão bancária da China, convocaram os executivos da Evergrande em agosto e alertaram que é necessário reduzir seus riscos de dívida e a estabilidade prioritária.

A Evergrande tem que pagar US$ 83,5 milhões em juros em 23 de setembro. Ela tem outro pagamento de juros de US$ 47,5 milhões com vencimento em 29 de setembro. Ambos os títulos entrariam em default se Evergrande não liquidar os juros dentro de 30 dias das datas de pagamento programadas.

Em qualquer cenário de inadimplência, a Evergrande precisará reestruturar os títulos, mas os analistas esperam um baixo índice de recuperação para os investidores.

O estresse também tem pressionado o setor imobiliário mais amplo, bem como o iuan, que caiu para uma mínima de três semanas de 6,4831 por US$ 1.

As ações da Sunac, quarta maior incorporadora imobiliária da China, caíram 10,5%, enquanto a Greentown China, apoiada pelo Estado, caiu 6,7%. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: