Bradespar tem alta de 6% com proposta de bonificação de R$ 5,26 bilhões aos acionistas

Reuters
Reuters

Ibovespa opera em baixa de 0,97%, aos 115.057pontos, por conta da sessão volátil desta quarta-feira

A Bradespar (BRAP4) anunciou ontem (14) à noite a proposta de reduzir seu capital em R$ 5,26 bilhões, por meio da entrega de ações ordinárias da Vale (VALE3) aos seus acionistas. Esse movimento faz com que a companhia protagonize a maior alta da sessão, de 6,22%, cotada a R$ 64,41, às 12h55, horário de Brasília.

Ontem, a Bradespar convocou uma assembleia geral extraordinária para 15 de outubro com o objetivo de deliberar sobre a alienação do capital. A holding de investimentos detém fatia de 5,73% da Vale, o equivalente a R$ 33,2 bilhões, em 30 de junho.

Em segundo lugar entre os papéis com variações mais altas está a Gol (GOLL4), com avanço de 4,10%, a R$ 20,07. A companhia aérea informou que expandiu o contrato de operações com a American Airlines por três anos. Com a prorrogação, a Gol recebeu um aporte de US$ 200 milhões da norte-americana American Airlines.

E, em terceiro lugar está a PetroRio (PRIO3) com alta de 3,67%, a R$ 20,35. Bruno Madruga, head de renda variável e sócio da Monte Bravo, explica que o desempenho positivo do papel é por conta à alta do petróleo. “O setor vem subindo forte com os dados de estoque dos EUA que vieram abaixo do esperado, o que, consequentemente, é positivo para o preço da commodity no mercado internacional e para as empresas petroleiras.”

Os estoques de petróleo norte-americanos caíram em 6,4 milhões de barris na semana passada, fechando a sexta-feira em 417,4 milhões de barris. Analistas previam uma redução de apenas 2,5 milhões. Nesta quarta-feira, as cotações futuras do barril do tipo Brent, subiam 1,73%, para US$ 74,53, às 9h50, horário de Brasília, de acordo com a Suno Research.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Por outro lado, o Meliuz (CASH3) despenca 5,58%, a R$ 7,27, após apresentar uma alta acumulada de 36,2% desde quinta-feira (9). Phil Soares, chefe de análise de ações na Órama, diz que “o CEO do Méliuz, Israel Salmen, pretende monetizar a base de serviços para melhorar o resultado financeiro da companhia”. “Há um risco enorme de esse plano não se concretizar. Por isso a ação é uma das mais voláteis da B3.”

No último balanço financeiro da companhia, o Meliuz registrou prejuízo líquido de R$ 6,69 milhões no segundo trimestre deste ano. Com o resultado, a companhia reverteu o lucro líquido conquistado no mesmo período de 2020, de R$ 6,5 milhões.

Logo em seguida estão a B2W Digital (AMER3) e o CCR (CCRO3) declinando 4,12%, a R$ 39,53, e caindo 3,91%, a R$ 11,31, respectivamente.

No horário, o Ibovespa operava em queda de 0,97%, aos 115.057 pontos. Rafael Panonko, analista chefe da Toro, detalha que o movimento negativo deve-se à sessão volátil desta tarde (15). “O dólar opera em alta de 0,07%, cotado a R$ 5,26, o IBC-Br [que teve alta de 0,60% em julho] faz um contrabalanço no cenário; a produção industrial na China veio abaixo e a inflação no Reino Unido também ficou ruim. Ou seja, todos esses dados afetam o índice Bovespa, que o deixam para baixo.”

(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).