Cotações do petróleo recuam após cortes de preços da Arábia Saudita

As ofertas globais de petróleo estão aumentando a medida que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados estão aumentando a produção em 400 mil barris por dia.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reuters/Nick Oxford
Reuters/Nick Oxford

Os cortes dos preços foram maiores que o esperado, baseado numa pesquisa da Reuters com refinarias asiáticas

Acessibilidade


Os preços do petróleo recuaram hoje (6), após os cortes acentuados da Arábia Saudita nos preços de contrato do petróleo para a Ásia reacenderem preocupações com as perspectivas da demanda.

Os contratos futuros do Brent recuaram US$ 0,39 para fechar em US$ 72,22 o barril. O petróleo dos EUA (WTI) recuou US$ 0,40 em US$ 68,89 o barril.

LEIA MAIS: Produção total de milho do Brasil em 2020/21 pode recuar em mais de 20 milhões de toneladas ante a safra passada

O grupo estatal de petróleo Saudi Aramco notificou os clientes em um comunicado no domingo que iria cortar os preços oficiais de venda (OSPs, na sigla em inglês) de outubro para todos os tipos de petróleo vendidos para a Ásia, sua maior região de compra, em pelo o menos US$ 1 o barril.

Os cortes dos preços foram maiores que o esperado, baseado numa pesquisa da Reuters com refinarias asiáticas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Quando a gigante saudita corta seus preços de venda para a Ásia em outubro, sinalizando que vê a relação entre oferta e demanda mudando ligeiramente, os traders não podem deixar de seguir esse caminho hoje”, disse Bjornar Tonhaugen, chefe de mercados de petróleo da Rystad Energy.

As ofertas globais de petróleo estão aumentando a medida que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, estão aumentando a produção em 400 mil barris por dia (bpd) a cada mês entre agosto e dezembro. (Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: