Crescimento da inflação nos EUA desacelera em agosto

REUTERS/Eduardo Munoz
REUTERS/Eduardo Munoz

O índice avançou 0,3% no mês passado após subir 0,5% em julho, em linha com expectativa de avanço de 0,4%

O núcleo dos preços ao consumidor nos Estados Unidos subiu no ritmo mais lento em seis meses em agosto, sugerindo que a inflação provavelmente atingiu seu pico, embora possa permanecer alta por um tempo em meio às persistentes restrições de oferta.

O Departamento do Trabalho informou hoje (14) que o índice de preços ao consumidor, excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, subiu 0,1% no mês passado. Foi a taxa mais fraca desde fevereiro, após aumento de 0,3% em julho. Na base anual, o núcleo dos preços avançou 4,0%, após alta de 4,3% em julho.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O índice geral avançou 0,3% no mês passado depois de subir 0,5% em julho. Nos 12 meses até agosto, a inflação teve alta de 5,3%, ante 5,4% em julho, na mesma base de comparação.

Economistas consultados pela Reuters projetavam alta de 0,3% do núcleo dos preços e de 0,4% do índice geral.

A inflação aqueceu no início do ano, devido ao aumento dos preços para carros e caminhões usados, assim como serviços em setores mais afetados pela pandemia de Covid-19.

Há sinais de que os preços de carros e caminhões usados já chegaram a seu pico. Os custos de hotéis e motéis estão agora acima do nível pré-pandemia, sugerindo ganhos moderados à frente.

A desaceleração nas taxas mensais de inflação fica em linha com a afirmação do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, de que a inflação alta é transitória.

Contudo, gargalos na cadeia de oferta permanecem e o mercado de trabalho está apertando, elevando os salários.

Os dados da inflação foram divulgados em meio ao crescimento das especulações nos mercados financeiros sobre quando o Fed irá anunciar o início da redução de seu programa de compra de títulos. Powell não ofereceu sinais sobre quando o banco central dos EUA planeja reduzir suas compras de títulos, dizendo apenas que poderia ser “este ano”. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).