Dívida pública federal sobe 1,57% em agosto

Segundo Tesouro, houve emissão de R$ 47,7 bilhões em papéis ligados à taxa flutuante no mês.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

Segundo o Tesouro, dívida pública federal subiu 1,57% e chegou a R$ 5,481 trilhões em agosto

Acessibilidade


A dívida pública federal do Brasil subiu 1,57% em agosto sobre julho, a R$ 5,481 trilhões, em mês de forte protagonismo das emissões de títulos atrelados à Selic, em meio ao aperto monetário conduzido pelo Banco Central.

Conforme dados divulgados hoje (27) pelo Tesouro, houve emissão de R$ 47,7 bilhões em papéis ligados à taxa flutuante no mês, com resgate de R$ 1,3 bilhão.

LEIA TAMBÉM: Guedes inclui privatização de Petrobras e BB em plano de dez anos

Segundo o Tesouro, o forte peso desses títulos, compostos majoritariamente por LFTs, dentre as emissões no período –67,5% do total– demonstra “uma mudança no perfil das emissões”.

Na prática, os investidores têm demandado mais papéis ligados à Selic, já que a rentabilidade dos títulos aumenta com a subida dos juros básicos. Esses papéis também costumam ganhar mais espaço em momentos de aversão a risco.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Após ter iniciado o ano na mínima histórica de 2%, a Selic já subiu 4,25 pontos desde março, ao patamar atual de 6,25% ao ano, com o BC intensificando o ritmo de alta em meio à aceleração da inflação no país. Em agosto, a taxa havia sido elevada em 1 ponto pelo BC, a 5,25% ao ano, dose repetida na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) da semana passada.

Em relação aos títulos prefixados, foram emitidos R$ 7,8 bilhões e resgatados R$ 389,8 de reais em títulos prefixados, “o menor valor desde junho de 2018”, informou o Tesouro.

Já entre os títulos indexados à inflação, houve emissão de R$ 15,1 bilhões e resgates de R$ 24,1 bilhões.

Apesar do quadro, o Tesouro disse em nota que passou a observar ao longo de setembro um “retorno gradual na demanda dos investidores por títulos prefixados e indexados à inflação, consistente com um retorno também gradual das emissões desses papéis”.

“O Tesouro seguirá monitorando os mercados e reforça que a atual situação do caixa da dívida, suficiente para 10,5 meses de vencimentos à frente, dá flexibilidade ao Tesouro ajustar os volumes ofertados de acordo com as condições de mercado”, disse.

A reserva de liquidez da dívida fechou agosto em R$ 1,227 trilhão, alta de 57,8% sobre igual mês do ano passado, em termos nominais. Nos próximos 12 meses os vencimentos da dívida são estimados em R$ 1,364 bilhão.

Em relação aos detentores, a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna subiu a 9,76% do total em agosto, de 9,67% no mês anterior. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: