Economia argentina recua 1,4% no segundo trimestre ante o primeiro

O país tenta se recuperar e retomar o caminho do crescimento após o impacto da pandemia.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Agustin Marcarian/Reuters
Agustin Marcarian/Reuters

Cultivo de milho em Chivilcoy, nos arredores de Buenos Aires

Acessibilidade


A economia da Argentina deu um salto de 17,9% no segundo trimestre na comparação anual, acima do previsto por economistas, em uma forte recuperação após contração expressiva sofrida no mesmo período de 2020, quando a economia enfrentava o baque da pandemia da Covid-19.

A alta anual foi a maior dos registros recentes do país, grande exportador de grãos e carnes, e ficou acima da mediana das projeções dos analistas, de 17,3%. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, no entanto, a economia recuou 1,4%.

LEIA TAMBÉM: Argentina bate recorde de produção de milho no lugar ocupado pela soja

“A forte recuperação foi impulsionada pelo setor de construção, que estava voando no segundo trimestre”, disse Lucio Garay Mendez, economista da consultoria EcoGo, acrescentando que o crescimento foi afetado pelo endurecimento das restrições relacionadas à Covid-19 no trimestre.

“Isso foi resultado da intensificação das restrições à mobilidade com a chegada da segunda onda”, disse.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A mediana de uma pesquisa da Reuters com 14 analistas apontava para um crescimento de 17,2%, com as estimativas variando de uma alta de 14% a 18% para o trimestre abril-junho.

A Argentina, mergulhada em recessão desde 2018, tenta agora se recuperar e retomar o caminho do crescimento após o impacto da pandemia, que atingiu gravemente a popularidade do governo de centro-esquerda de Alberto Fernández.

Na manhã desta terça-feira, o governo divulgou planos para afrouxar as restrições à pandemia, incluindo a flexibilização gradual do que têm sido controles de fronteira rígidos, em uma tentativa de reviver a atividade econômica e aumentar sua popularidade entre os eleitores cansados ​​das restrições. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: