Economia dos EUA "desacelerou ligeiramente" em agosto, mostra Livro Bege do Fed

Em paralelo, houve um aumento das preocupações sobre como o novo surto de coronavírus afetaria a recuperação econômica.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Autoridades do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, relataram “aumento do emprego em geral”

Acessibilidade


A economia dos Estados Unidos desacelerou ligeiramente em agosto, à medida que aumentaram preocupações sobre como o novo surto de casos de coronavírus afetaria a recuperação econômica, informou hoje (8) o Fed (Federal Reserve) na mais recente edição do Livro Bege, compilação de relatórios sobre a economia.

“A desaceleração da atividade econômica foi em grande parte atribuída a uma retração em atividades de jantar fora, viagens e turismo na maioria dos distritos, refletindo preocupações de segurança devido ao aumento da variante Delta e, em alguns casos, a restrições a viagens internacionais”, afirma o documento, resumindo informações dos 12 distritos regionais do Fed, em informações que farão parte das deliberações em sua reunião de política monetária dos dias 21 e 22 de setembro.

LEIA TAMBÉM: Ata do Fed mostra discordâncias sobre redução de compras de títulos

Autoridades do Fed relataram “aumento do emprego em geral”, embora alguns distritos tenham notado que a contratação foi apenas “leve”, enquanto outros disseram que a contratação continuou sendo dificultada pela escassez de mão de obra causada por “aumento de rotatividade, aposentadorias antecipadas, necessidades de cuidados infantis, desafios na negociação de ofertas de emprego e benefícios maiores a desempregados. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: