Forbes Radar: Usiminas, Petrobras, Camil, Eneva e outros destaques corporativos

Últimas notícias sobre: Alliar, Facebook, Bluefit, B3, Unidas e Desktop .

Artur Nicoceli
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (28), a Usiminas anunciou que o alto-forno 2 da usina mineira de Ipatinga sofreu um incidente na última sexta-feira (24) passada e, por isso, a empresa vai paralisar o equipamento por um período de 90 a 150 dias.

A Vale informou que 19 trabalhadores que estavam presos em mina subterrânea no Canadá voltaram à superfície nesta manhã, e “o restante está a caminho”, segundo um comunicado. No domingo, 39 funcionários ficaram presos após uma pá escavadeira ter se desprendido, bloqueando um acesso.

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Bemobi (BMOB3)

A Bemobi aprovou ontem (27) um programa de recompra de ações de até 3 milhões. “A companhia tem R$ 9,3 milhões nas contas de reserva de capital e de lucros acumulados que poderão ser usados”, informou a Suno Research.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Camil (CAML3)

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou sem restrições a aquisição da companhia de massas Santa Amália pela Camil, informou a empresa compradora ontem (27).

A operação, que marcou a entrada da Camil no setor, foi anunciada ao mercado no mês passado, em um negócio de R$ 260 milhões. Com a compra, a Camil também assumirá o endividamento da Santa Amália, da ordem de R$ 150 milhões.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

B3 (B3SA3)

A B3 lançou ontem (27) um serviço que automatiza os processos de pós-negociação para títulos públicos federais. Com este lançamento, a bolsa amplia os serviços existentes de pós-negociação de Renda Fixa contemplando operações definitivas e compromissadas de TPFs negociados no Balcão. Os dados da negociação (valor, quantidade, título) serão enviados para as partes envolvidas que poderão realizar a alocação, o pre-matching (conciliação) e troca de comando de maneira automatizada para posterior liquidação no ambiente Selic, evitando a interferência manual nos processos.

As operações com títulos públicos movimentam em média mais de R$ 50 bilhões por dia.

Alliar (AALR3)

A Alliar informou ontem (27) que a gestora MAM Asset pediu uma assembleia extraordinária de acionistas para votar um novo plano estratégico para a companhia de diagnósticos médicos e a troca de todo o conselho de administração.

Além de pleitear a eleição de um novo conselho, a MAM, que tem 5,07% do capital da empresa, propõe que um conselho médico substitua o atual comitê médico, que passaria a funcionar como órgão de assessoramento, além da troca dos membros do conselho fiscal e um aumento de capital com a emissão de 30 milhões de ações.

Embraer (EMBR3)

A Embraer apresenta, hoje, durante o Zhuhai Airshow, a 13ª Exposição Internacional de Aviação Aeroespacial da China, seu mais recente estudo de perspectivas para esse mercado no país. O relatório prevê novas entregas de aeronaves nos próximos 20 anos com base na demanda de passageiros por viagens aéreas na era pós-pandemia. A Embraer tem uma previsão de que quase 1,5 mil novas aeronaves, na categoria de até 150 assentos, serão necessárias na China até 2040. Entre essas entregas, 77% devem atender à expansão do mercado e 23% substituirão aeronaves.

“Durante a pandemia, aeronaves de pequeno e médio porte, assim como voos regionais, foram fundamentais na rápida recuperação da conectividade na China. Nossos E-Jets foram um dos primeiros modelos de aeronaves a restaurar frequências nas malhas aéreas das empresas. Na era pós-pandemia, construir um sistema de transporte aéreo mais eficiente é de vital importância. O mercado exige um perfil de frota mais equilibrado e uma estrutura de rotas para atender mais mercados secundários. Por isso, acreditamos que, nos próximos 20 anos, aeronaves com até 150 assentos irão liberar todo o seu potencial”, disse Guo Qing, diretor-executivo e vice-presidente de Aviação Comercial da Embraer China.

O governo chinês anunciou recentemente uma série de ações para o desenvolvimento de infraestrutura que inclui cerca de 200 novos aeroportos para incentivar e promover a realocação industrial. A importância das aeronaves regionais continua aumentando após a Covid-19, desempenhando um papel fundamental no lançamento de novos serviços para esses aeroportos e no crescimento da demanda.

Atualmente, há 91 E-Jets em operação na China, voando 550 rotas e conectando 150 cidades domésticas e no exterior. Essas aeronaves transportam cerca de 20 milhões de passageiros por ano.

Usiminas (USIM5)

A Usiminas anunciou que o alto-forno 2 da usina mineira de Ipatinga sofreu um incidente na última sexta-feira (24) passada e, por isso, a empresa vai paralisar o equipamento por um período de 90 a 150 dias.

O evento ocorreu um ano após a ocorrência de fogo e estrondo no topo do alto-forno 1 da mesma usina. Na ocasião, a empresa informou que o “evento foi rapidamente controlado pela equipe técnica”.

Procurada hoje, a Usiminas informou que não teve registro de explosão ou feridos, e não deu mais detalhes do ocorrido.

Analistas da XP afirmaram que veem “impacto limitado para a companhia, visto que o forno (2) é pequeno e que os níveis de estoque atuais poderão ser destinados para minimizar os impactos negativos”. Os analistas mantiveram recomendação “neutra” para a empresa.

O alto-forno 2 tem capacidade de produzir 55 mil toneladas de ferro-gusa por mês, o equivalente a 660 mil toneladas por ano. A empresa afirmou em fato relevante que vai compensar a parada com estoques e comprando placas no mercado.

Facebook (FBOK34)

O Facebook anunciou ontem (27) que vai investir US$ 50 milhões numa parceria para construir o chamado metaverso, mundo digital em que as pessoas podem usar diferentes dispositivos para se mover e se comunicar num ambiente virtual.

A maior rede social do mundo tem investido forte em realidade virtual e realidade aumentada, incluindo headsets, oculus e pulseiras tecnológicas.

Os recursos serão usados ao longo de dois anos para garantir que as tecnologias do metaverso sejam “construídas de uma forma inclusiva e empoderadora”, disse o Facebook.

A empresa disse que planeja trabalhar com pesquisadores em quatro áreas, incluindo privacidade e segurança de dados, para permitir que os usuários obtenham ajuda se algo que virem no metaverso os deixar desconfortáveis.

Ela também pesquisará como criar tecnologias que sejam inclusivas e acessíveis a todos os usuários, e também “incentivará a competição” na indústria.

O Facebook tem enfrentado uma série de críticas, como disseminação da desinformação e o impacto negativo da rede social sobre os adolescentes.

Um executivo do Facebook testemunhará na quinta-feira (30) em uma audiência do comitê do Senado dos Estados Unidos sobre o impacto do aplicativo Instagram na saúde mental de usuários jovens.

Os parceiros no novo fundo do metaverso do Facebook incluem a Howard University, de Washington D.C., a Universidade Nacional de Seul e a Universidade de Hong Kong.

Petrobras (PETR4)

A Petrobras está avaliando elevar preços de combustíveis em suas refinarias, disse o diretor-executivo de Comercialização e Logística, Cláudio Mastella, ao reconhecer que “pontualmente” os valores estão defasados ante o mercado internacional.

Durante uma rara coletiva de imprensa junto ao presidente da petroleira estatal, Joaquim Silva e Luna, os executivos da companhia frisaram que não houve mudanças na política de preços e que a companhia continua a seguir indicadores internacionais, mas evitando a volatilidade externa.

Mastella pontuou que, nos últimos meses, houve mudanças significativas no mercado internacional, mas que grande parte delas foi compensada por flutuações do câmbio no sentido contrário.

No entanto, uma redução de oferta de petróleo, especialmente nos Estados Unidos, e uma perspectiva de elevação da demanda internacional de energéticos têm puxado os valores para cima. “Em função disso, a gente está olhando com mais carinho, com cuidado, a possibilidade de reajuste”, disse Mastella.

O diretor ressaltou que há atores atualmente realizando importações ao Brasil, em uma sinalização de que os preços da Petrobras não estão “descolados” do mercado.

A Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis) calcula que haja uma defasagem de 14% no diesel e de 10% na gasolina, segundo dados de fechamento da sexta-feira (24).

Eneva (ENEV3)

A Eneva inaugurou nesta segunda-feira a Unidade de Tratamento de Gás (UTG) Azulão, no campo de mesmo nome em Silves (AM), que enviará o produto por carretas para a geração da usina térmica Jaguatirica II, em Roraima.

O projeto integrado Azulão-Jaguatirica, cujo investimento total soma  R$ 1,8 bilhão, torna possível a comercialização do gás do campo de Azulão, na Bacia do Amazonas, comprado há três anos pela Eneva da Petrobras, que o descobriu na década de 90 e o declarou comercial em 2004.

A previsão é de que a usina Jaguatirica II entre em operação comercial ainda em 2021, disse à Reuters o diretor de Operações da Eneva, Lino Cançado.

A usina, de 140 MW de capacidade, venceu leilão de energia da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para suprimento a Boa Vista (RR) e localidades conectadas em 2019, negociando à época 127 MW de capacidade. O excedente, segundo o executivo, poderá ser comercializado no mercado livre.

Bluefit (BFFT3)

A Bluefit adiou o IPO após a oferta ser precificada 20% abaixo do esperado. A companhia pretendia levantar R$ 600 milhões, contudo, a precificação realizada sexta-feira (24) apontou R$ 480 milhões. De acordo com o Valor Investe, a companhia ainda planeja realizar a operação, mas em oferta restrita.

Irani (RANI3)

A Irani anunciou um programa de recompra de até 8,2 milhões de ações ou 7,7% do total em circulação no mercado. A operação com prazo de 18 meses visa maximizar a geração de valor para os acionistas.

Unidas (LCAM3)

O conselho de administração da Unidas aprovou a compra da Nexcorp, companhia especializada em tecnologia em soluções de rastreamento, pela subsidiária Agile Gestão de Frotas e Serviços. A operação custou R$ 120 milhões; foram pagos R$ 71 milhões em dinheiro e o restante em 1,9 milhões de ações.

Desktop (DESK3)

A Desktop informou que sua controlada Starnet Telecomunicações comprou a LPNet, empresa provedora de serviço de internet de banda larga com tecnologia de fibra óptica no estado de São Paulo. O valor da operação não foi anunciado.

(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: