Inflação na zona do euro é confirmada em máxima de 10 anos por preço de energia

A Eurostat informou que os preços ao consumidor nos 19 países do bloco avançaram 3% em agosto sobre o ano anterior.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Boyana Boychev/Getty Images
Boyana Boychev/Getty Images

A Eurostat informou que os preços ao consumidor nos 19 países da União Europeia avançaram 3% em agosto sobre o ano anterior

Acessibilidade


A inflação na zona do euro acelerou para máxima de 10 anos em agosto, confirmou hoje (17) a agência de estatísticas da União Europeia, uma vez que a recuperação global elevou ainda mais os preços da energia.

A Eurostat informou que os preços ao consumidor nos 19 países do bloco avançaram 3,0% em agosto sobre o ano anterior, após aumento de 2,2% em julho, confirmando estimativa anterior divulgada em 31 de agosto. Foi a taxa mais elevada desde novembro de 2011.

LEIA TAMBÉM: Governo federal eleva alíquota do IOF até dezembro para bancar novo Bolsa Família

Na comparação mensal, os preços no bloco avançaram 0,4%, também em linha com a estimativa inicial da Eurostat.

O aumento é um desafio para a visão benigna do Banco Central Europeu sobre a alta dos preços e a decisão de olhar além do que considera ser uma alta temporária acima de sua meta de 2%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O banco central elevou repetidamente sua projeção para a inflação neste ano mas em seguida os dados a superavam. A alta de preços agora deve atingir o pico somente nos últimos meses do ano, com analistas calculando uma máxima entre 3,5% e 4%.

O núcleo da inflação também aumentou em agosto. O número que exclui os preços voláteis de alimentos e energia saltou para 1,6% na base anual, de 0,9% em julho, confirmando as estimativas anteriores da Eurostat. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: