ONS vê mais chuvas em hidrelétricas no Sul/Sudeste e eleva previsão de carga

Projeção vem em meio ao pior período úmido nas hidrelétricas em mais de 90 anos.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Washington Alves/Reuters
Washington Alves/Reuters

Imagem da hidrelétrica de Furnas em São José da Barra

Acessibilidade


O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) elevou sua projeção de chuvas para a principal área de geração hidrelétrica do país, Sudeste/Centro-Oeste, em setembro, além de projetar agora um avanço de 0,4% da carga para o mês, ante uma estimativa anterior de recuo de 0,2%.

Em meio ao pior período úmido nas hidrelétricas em mais de 90 anos, o boletim semanal sobre chuvas do ONS apontou que as precipitações para as hidrelétricas do Sudeste/Centro-Oeste estão agora estimadas em 59% da média histórica, ante 56% na projeção da semana anterior.

LEIA MAIS: Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Para o Sul, o ONS agora projeta chuvas em 76% da média histórica para hidrelétricas em setembro, ante 54% na projeção da semana anterior.

O ONS projetou ainda chuvas em 46% da média histórica para hidrelétricas do Nordeste em setembro, estável ante projeção da semana anterior, enquanto para as hidrelétricas do Norte a projeção passou para 77%, ante 74% na projeção da semana anterior.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na véspera, o governo federal publicou nota mantendo visão de cenário de atenção para a geração hidrelétrica, com projeção de poucas chuvas relevantes nos próximos meses. Na ocasião, aprovou a realização de procedimento competitivo simplificado para contratação de Reserva de Capacidade nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul, com suprimento a ser iniciado em 2022 até 2025. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: