Petrobras eleva diesel nas refinarias em quase 9% a partir de quarta-feira

Com o movimento, os preços médios de diesel e gasolina da Petrobras acumulam alta de mais de 50% neste ano.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

Logo da Petrobras em sede no Rio de Janeiro

Acessibilidade


A Petrobras elevará o preço do diesel nas refinarias em quase 9% a partir de amanhã (29), após 85 dias de estabilidade, informou a companhia em nota, frisando que o movimento é importante para garantir o abastecimento do combustível no país.

Com o ajuste, o valor médio do diesel vendido pela companhia a distribuidoras passará de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,25 por litro. Já a gasolina foi mantida estável.

LEIA MAIS: Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Com o movimento, os preços médios de diesel e gasolina da Petrobras acumulam alta de mais de 50% neste ano.

O ajuste vem após o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, convocar uma rara coletiva de imprensa virtual na véspera, quando voltou a explicar a composição dos preços dos combustíveis no país. No evento, um executivo da estatal disse que a empresa avaliava a realização de um reajuste.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Brasil não consegue produzir todo o combustível que consome, dependendo então de volumes de importação para atender ao mercado.

“Esse ajuste é importante para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras”, disse a empresa.

“Reflete parte da elevação nos patamares internacionais de preços de petróleo e da taxa de câmbio.”

A estatal e o governo têm reiterado que a Petrobras possui liberdade para ajustar preços, conforme estratégias de mercado, mas ambos vêm sofrendo forte pressão por segmentos da sociedade que questionam os fortes avanços, que ocorrem como reflexo do mercado internacional.

Hoje (28), o presidente da Câmara, Arthur Lira, publicou nas redes sociais que buscará alternativas para os preços de combustíveis.

“Amanhã, vamos colocar alternativas em discussão no Colégio de Líderes. O fato é que o Brasil não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 e o gás a R$ 120”, disse Lira, que se referiu aos valores cobrados nas bombas. Ele também tem cobrado explicações de Luna sobre o avanço dos valores.

Na véspera, a Reuters publicou que o presidente da Petrobras manteve contato recentemente com autoridades, incluindo Lira, que buscam alternativas para “amortecer” o preço dos combustíveis.

Uma das opções, segundo fontes, é o uso de um fundo com recursos do pré-sal para um programa de subsídios que aliviem reajustes aos consumidores, mas haveria necessidade de aprovação do Poder Legislativo.

O repasse do aumento para as bombas, nos postos, depende de uma série de questões, como margens de distribuidoras e revendedoras, misturas de biodiesel, assim como tributos.

A defasagem do diesel da Petrobras ante o mercado internacional, no fechamento da véspera, estava em 15%, segundo cálculos da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis).

“O reajuste anunciado de R$ 0,25/litro, quando a defasagem média está em R$ 0,50/litro, mostra que ficar 85 dias sem ajuste não é a melhor prática. Mercados mais maduros fazem reajustes mais frequentes”, afirmou à Reuters o presidente da Abicom, Sérgio Araújo.

Araújo ponderou, no entanto, que o anúncio da petroleira “sinaliza sua autonomia”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: