Virgin Orbit, de Richard Branson, pode ter avaliação superior a US$ 3 bilhões com abertura de capital

Listagem será realizada via Spac na Nasdaq e pode gerar US$ 483 milhões em dinheiro para a startup.

David Dawkins
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images / Getty Images
SOPA Images / Getty Images

Richard Branson, cujo patrimônio é estimado em US$ 4,4 bilhões pela Forbes, venceu a corrida pelo espaço em julho, quando viajou com um foguete da Virgin Galactic

Acessibilidade


A lançadora de satélites de Richard Branson, Virgin Orbit, anunciou planos de abrir o capital por meio de uma listagem da Spac na bolsa norte-americana Nasdaq. A operação pode gerar US$ 483 milhões para a empresa e, com isso, a avaliação da startup espacial chegar a US$ 3,2 bilhões.

A fusão com a NextGen Acquisition Corp. II, já listada na bolsa, vem após uma série de sucesso para Richard Branson. Em julho, ele ultrapassou Jeff Bezos na corrida espacial com a empresa de turismo espacial Virgin Galactic. A operação ocorreu após o lançamento de uma carga útil de satélite pela Virgin Orbit, em janeiro.

LEIA MAIS: Os dez maiores bilionários do setor financeiro no Brasil

A Virgin Orbit alcançou um segundo lançamento bem-sucedido em junho, durante o qual implantou 17 satélites para clientes, incluindo a Nasa. Essa operação gerou rumores de que Branson não perderia tempo e logo faria uma oferta pública da empresa devido às boas notícias.

Esta será a segunda listagem de Branson via Spac para uma startup espacial. Em outubro de 2019, ele abriu o capital da Virgin Galactic com uma capitalização de mercado de US$ 1 bilhão em uma fusão com a Social Capital Hedosophia, administrada pelo ex-executivo do Facebook Chamath Palihapitiya. Virgin Galactic, que tem receitas insignificantes e grandes perdas, agora ostenta uma capitalização de mercado de US$ 6 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Branson disse em um comunicado na segunda-feira (20) que a equipe da Virgin Orbit, que usa um foguete disparado de um avião 747 para lançar satélites ao espaço, “provou sua capacidade de criar novas ideias, novas abordagens e novos recursos”.

O executivo, cujo patrimônio é estimado em US$ 4,4 bilhões, levou seu Virgin Group a gastar mais de US$ 1 bilhão no desenvolvimento da Virgin Orbit. De acordo com uma apresentação para investidores, a Virgin Orbit tem US$ 300 milhões em contratos ativos, com US$ 1,3 bilhão de outros, em negociação.

Segundo o documento, a Virgin prevê que a receita aumentará de US$ 70 milhões em 2022 para cerca de US$ 2 bilhões em 2026. A receita para 2021, incluindo os dois lançamentos em janeiro e junho, é estimada em US$ 15 milhões.

A Virgin Orbit, será listada na Nasdaq sob o símbolo VORB. A empresa é uma das várias startups espaciais a seguir a rota Spac para o mercado, ao lado dos rivais Rocket Lab, Astra, AST e Spire, conforme uma nova economia empresarial que começa a se abrir lá fora da atmosfera.

Branson detém atualmente 80% da Virgin Orbit, e o fundo soberano dos Emirados Mubadala, os 20% restantes. A participação deve ser reduzida para 85%. Os acionistas públicos da NextGen ficam com 10% da empresa combinada, enquanto outros investidores ficam com os 5% restantes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: