Ações do Banco Inter acumulam perda superior a 15% na semana

Papéis do banco têm apresentado forte volatilidade; no pregão de sexta-feira, as ações BIDI4 registraram alta de 9,31%, a R$ 17,14 .

Artur Nicoceli e Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:
DIvulgação
DIvulgação

Instituição financeira foi a terceira companhia mais volátil entre as que compõem o Ibovespa em setembro, segundo levantamento da Economatica feito a pedido da Forbes

Acessibilidade


Esta semana não foi nada fácil para os acionistas do Banco Inter, que assistiram aos papéis (BIDI4 e BIDI11) registrarem forte queda, de 15,07% e 16,04%, respectivamente, entre segunda-feira (27) e hoje (1º). Em meio ao cenário negativo, o banco informou que antecipará a divulgação do balanço financeiro do terceiro trimestre para a próxima segunda (4), antes da abertura do mercado.

Segundo levantamento realizado pela Economatica a pedido da Forbes, as ações do Inter (BIDI4) ocupam o terceiro lugar no ranking das mais voláteis do Ibovespa de setembro. Desde 1º de janeiro até 27 de setembro, os papéis apresentaram uma volatilidade de 67,29%, e, ao longo do último mês, de 59,08%. A unit (BIDI11) teve volatilidade de 67,24%, e, no acumulado de 2021, de 58,25%.

LEIA MAIS: Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O buscador de investimentos Yubb mostrou que os papéis do banco tiveram a pior rentabilidade entre os negociados na Bolsa em setembro: o ticker BIDI11 está na liderança da lista, com desvalorização de 31,18%, e o ticker BIDI4 aparece em segundo lugar, com 28,56%.

O movimento de queda dos papéis foi puxado, principalmente, pelo cenário interno da instituição financeira. A notícia de que o Banco Inter e a empresa de meios de pagamento StoneCo (STOC31) estão negociando a extensão do acordo de parceria atual com planos de possível fusão não foi bem recebida pelo mercado, afirma a Suno Research. “As negociações ocorrem em um momento em que a fintech enfrenta uma perda em empréstimos de R$ 400 milhões com uma operação de crédito recém-lançada que teve problemas no sistema”, destaca.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Stone comprou 4,99% do Inter, em junho, por R$ 2,5 bilhões, enquanto a instituição financeira realizava um follow-on, oferta subsequente de ações. A fintech também iniciou a semana no vermelho, fechando em queda de quase 4% na terça-feira (28). No acumulado da semana, recuou 9,95%.

Também na terça-feira, as ações do Inter alcançaram o patamar negativo de 11,82%, a maior queda na semana. A Genial Investimentos, porém, apontou que a baixa foi em função de “o mercado ter operado muito fraco [o Ibovespa recuou 3,05%, a 110.123 pontos, no dia] e devido à informação divulgada na imprensa de que o Inter havia feito um provisionamento”. Posteriormente, a notícia foi negada pelo banco.

O Banco Inter registrou lucro líquido de R$ 18,2 milhões no segundo trimestre deste ano. O resultado foi quase sete vezes superior aos R$ 2,7 milhões obtidos em igual período anterior.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: