FMI pede que governos façam planos fiscais para conter dívida da pandemia

Cada país deve determinar o momento e ritmo adequados para a consolidação fiscal, informou o fundo

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Yuri Gripas
REUTERS/Yuri Gripas

Cada país deve determinar o momento e ritmo adequados para a consolidação fiscal, informou o fundo

Acessibilidade


Os governos devem começar a planejar um retorno a orçamentos mais sustentáveis ​​com políticas fiscais que ganhem a confiança dos investidores após o estímulo sem precedentes de combate à pandemia, disse o Fundo Monetário Internacional (FMI) hoje (7).

Mas cada país deve determinar o momento e ritmo adequados para a consolidação fiscal, informou o FMI em seu relatório Monitor Fiscal.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Os planos fiscais precisam considerar o estágio da pandemia, as vulnerabilidades fiscais existentes, o risco de cicatrizes econômicas, as pressões por parte do envelhecimento da população, as necessidades de desenvolvimento e as dificuldades históricas na arrecadação de receitas.

O capítulo do relatório intitulado “Fortalecendo a Credibilidade das Finanças Públicas” afirma que os países podem ganhar tempo e tornar a estabilização da dívida menos dolorosa ao se comprometerem com a sustentabilidade fiscal com estruturas confiáveis de médio prazo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Quando os credores confiam que os governos são fiscalmente responsáveis, o financiamento de déficits maiores e rolagens de dívida se tornam mais fáceis”, disse o FMI.

Mas o Fundo acrescentou que os planos fiscais devem ser flexíveis para permitir uma estabilização das economias e evitar cortes em investimentos públicos importantes. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: