Forbes 400: conheça os novatos da lista de pessoas mais ricas dos EUA

Fortuna mínima para entrar no ranking aumentou US$ 800 milhões; mesmo assim, 44 nomes fizeram sua estreia.

Giacomo Tognini
Compartilhe esta publicação:
Reprodução / Forbes
Reprodução / Forbes

Sam Bankman-Fried, Melinda French Gates, Brian Armstrong e Miriam Adelson são alguns dos estreantes na lista Forbes 400

Acessibilidade


Foi um ano decisivo para os bilionários. As 400 pessoas mais ricas dos Estados Unidos viram suas fortunas crescerem 40% em relação ao ano passado, e chegaram a um patrimônio conjunto de US$ 4,5 trilhões. O ranking ganhou 44 novos participantes, o maior número de novatos desde 2007, sendo que dois terços deles vêm dos setores de tecnologia e finanças.

Em comparação com o ano passado, o número de recém-chegados mais que dobrou, apesar de o patrimônio mínimo para ingressar na lista de 2021 ter sido de US$ 2,9 bilhões, US$ 800 milhões a mais do que em 2020. É a primeira vez que a linha de corte aumenta desde 2018. A Forbes usou os preços das ações de 3 de setembro deste ano para calcular os valores líquidos dos patrimônios.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Liderando os recém-chegados, com fortuna de US$ 30,4 bilhões, está Miriam Adelson, esposa do magnata dos cassinos Sheldon Adelson, que morreu em janeiro de 2021, aos 87 anos. Ela e seu falecido marido estão entre os maiores apoiadores do Partido Republicano dos Estados Unidos. Nas eleições de 2020, eles doaram US$ 180 milhões para grupos políticos e campanhas de candidatos da legenda.

Aos 75 anos, Adelson não é a recém-chegada mais velha em 2021. Essa distinção vai para Robert Brockman, de 80 anos, o misterioso investidor bilionário de softwares que foi acusado pelo governo dos EUA de dirigir o maior esquema de evasão fiscal da história americana (ele se declarou inocente). Depois de deduzir os US$ 1,3 bilhão de seus ativos que estão congelados, a Forbes estima que sua fortuna seja de US$ 4,7 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O novato mais jovem da lista deste ano é Sam Bankman-Fried, de 29 anos, o segundo mais rico entre os novos nomes, com patrimônio estimado em US$ 22,5 bilhões. Brian Armstrong e Fred Ehrsam são quase da mesma idade que ele, e também fizeram suas fortunas com criptomoedas. Armstrong é dono de US$ 11,5 bilhões, e Ehrsam, de US$ 3,5 bilhões; os dois fundaram a exchange Coinbase. Baiju Bhatt, por sua vez, também aparece no ranking pela primeira vez. O patrimônio do cofundador da fintech Robinhood Markets é estimado em US$ 2,9 bilhões.

Depois de finanças e tecnologia, o setor de saúde traz o terceiro maior grupo de novatos. Entre eles está Li Ge, da fabricante de dispositivos médicos Wuxi AppTec, sediada em Xangai. Sua fortuna é de US$ 11,6 bilhões, de acordo com o levantamento da Forbes.

Também fazem parte do setor um trio de investidores e executivos da fabricante de vacinas Moderna: o professor de Harvard Timothy Springer (US$ 5,9 bilhões), o cofundador e presidente da Moderna, Noubar Afeyan (US$ 5 bilhões), e Robert Langer (US$ 4,9 bilhões), também cofundador da empresa e professor do MIT .

Outra recém-chegada notável é a filantropa Melinda French Gates, co-presidente da Fundação Bill e Melinda Gates, que agora tem uma fortuna independente estimada em US$ 6,3 bilhões depois de se divorciar do fundador da Microsoft.

Completando os 44 novos participantes estão os irmãos gêmeos bilionários e empresários Cameron e Tyler Winklevoss, que ocuparam a primeira capa da revista Forbes a ser transformada em um token, em abril.

Confira abaixo os dez novos membros mais ricos da Forbes 400. Foram considerados os valores das ações após o fechamento dos mercados de 3 de setembro de 2021:

  • Miriam Adelson
    Patrimônio líquido: US$ 30,4 bilhões
    Fonte de fortuna: cassinos

    Adelson herdou a participação de 57% de seu falecido marido no Las Vegas Sands, o império de Cassinos em Singapura e Macau, após sua morte em janeiro de 2021. Essa participação valia cerca de US$ 19 bilhões, em 3 de setembro, data em que a Forbes fechou os preços das ações para a lista.

    Em março, a empresa vendeu seus ativos em Las Vegas – incluindo o Venetian Resort e o Sands Expo and Convention Center – para a empresa de investimentos alternativos Apollo Global por US$ 5 bilhões em dinheiro e US$ 1,2 bilhão em empréstimos.

    Médica especializada em vício em drogas, Miriam Adelson não atua no conselho do Las Vegas Sands, e sim como diretora do braço social da empresa desde 1990.

    Alex Wong / Getty Images
  • Sam Bankman-Fried
    Patrimônio líquido: US$ 22,5 bilhões
    Fonte de fortuna: criptomoedas

    O graduado do MIT de 29 anos deve a maior parte de sua fortuna de US$ 22,5 bilhões à sua participação na exchange FTX, fundada por ele em 2019. Além disso, sua fortuna está atrelada aos seus tokens FTT. Ele também fundou a Alameda Research, que tem US$ 2,5 bilhões em ativos sob gestão. Seu objetivo é ficar o mais rico possível e depois doar tudo.

    Reprodução / Forbes
  • Jeff Yass
    Patrimônio líquido: US$ 12 bilhões
    Fonte de fortuna: comércio, investimentos

    O ex-jogador profissional ingressou na Forbes 400 graças à sua participação na Susquehanna International Group, fundada por ele em 1987 e transformada em uma das firmas mais bem-sucedidas de Wall Street.

    De acordo com a Alphacution Research, a empresa negociou 1,8 bilhão de contratos de opções em ações em 2020, o que representa quase um quarto de todas as negociações de opções nos EUA. Susquehanna também investe em empresas privadas que vão desde a controladora do Tiktok, Bytedance, até a empresa de monitoramento de crédito Credit Karma.

    SIG / Reprodução Forbes
  • Brian Armstrong
    Patrimônio líquido: US$ 11,5 bilhões
    Fonte de fortuna: criptomoedas

    O cofundador da corretora de criptomoedas Coinbase, de 38 anos, abriu o capital da empresa em abril de 2021, uma estreia que avaliou a exchange de nove anos em US$ 86 bilhões, dando a Armstrong uma fortuna de US$ 11,8 bilhões. Seu patrimônio líquido diminuiu desde então por causa de uma queda no preço das ações da Coinbase e nas cotações das principais criptomoedas do mercado.

    Steven Ferman / Getty Images
  • Paul Xiaoming Lee
    Patrimônio líquido: US$ 9,5 bilhões
    Fonte de fortuna: embalagens

    O graduado na Universidade de Massachusetts junta-se à lista graças à sua participação na fabricante de embalagens Yunnan Energy New Material, que também é presidida por ele. Suas ações da companhia valiam US$ 9,4 bilhões em 3 de setembro, o que corresponde a 98% de sua fortuna.

    Arte / Forbes
  • Lin Bin
    Patrimônio líquido: US$ 8,5 bilhões
    Fonte de fortuna: smartphones

    Antes de fundar a Xiaomi, uma das maiores marcas de smartphones do mundo, em 2010, Lin trabalhou como diretor de engenharia no Google, com passagens pela ADP e Microsoft. Atualmente, ele é vice-presidente da Xiaomi e sua participação na empresa representa 87% de seu patrimônio líquido estimado.

    South China Morning Post / Getty Images
  • Mat Ishbia
    Patrimônio líquido: US$ 8,3 bilhões
    Fonte de fortuna: crédito hipotecário

    O ex-jogador de basquete universitário Mat Ishbia transformou o pequeno negócio de hipotecas de seu pai em uma marca nacional: a United Wholesale Mortgage. Em janeiro de 2021, a empresa de 35 anos abriu capital por meio de uma fusão SPAC. A listagem transformou ele e seu irmão Justin em bilionários.

    PHOTO BY JACOB LEWKO/THE FORBES COLLECTION
  • Sun Hongbin
    Patrimônio líquido: US$ 6,9 bilhões
    Fonte de fortuna: imóveis

    O magnata do mercado imobiliário junta-se à Forbes 400 devido à sua participação na Sunac China Holdings, uma das maiores incorporadoras imobiliárias da China. As ações da empresa listada em Hong Kong caíram quase 27% desde 3 de setembro, puxadas para baixo por preocupações do mercado com a rival Sunac e com a crise da dívida da Evergrande.

    South China Morning Post / Getty Images
  • Michael Kim
    Patrimônio líquido: US$ 6,7 bilhões
    Fonte de fortuna: capital privado

    Kim é cofundador da MBK Partners, empresa sediada em Seul que tem US$ 20 bilhões em ativos sob gestão. Nascido na Coreia do Sul e criado nos Estados Unidos, Kim também é colecionador de arte e escritor. Em 2020, ele publicou “Offerings”, seu primeiro romance, que conta a história de um banqueiro de investimentos durante a crise financeira asiática do final dos anos 1990.

    PHOTO BY JAMEL TOPPIN FOR FORBES ASIA
  • Philippe Laffont
    Patrimônio líquido: US$ 6,5 bilhões
    Fonte de fortuna: fundos multimercados

    Philippe Laffont dirige o Coatue Management, um fundo multimercado e de capital de risco voltado para investimentos relacionados a tecnologia. A empresa possui US$ 25 bilhões em ativos sob gestão.

    Kimberly White / Getty Images

Miriam Adelson
Patrimônio líquido: US$ 30,4 bilhões
Fonte de fortuna: cassinos

Adelson herdou a participação de 57% de seu falecido marido no Las Vegas Sands, o império de Cassinos em Singapura e Macau, após sua morte em janeiro de 2021. Essa participação valia cerca de US$ 19 bilhões, em 3 de setembro, data em que a Forbes fechou os preços das ações para a lista.

Em março, a empresa vendeu seus ativos em Las Vegas – incluindo o Venetian Resort e o Sands Expo and Convention Center – para a empresa de investimentos alternativos Apollo Global por US$ 5 bilhões em dinheiro e US$ 1,2 bilhão em empréstimos.

Médica especializada em vício em drogas, Miriam Adelson não atua no conselho do Las Vegas Sands, e sim como diretora do braço social da empresa desde 1990.

 

Compartilhe esta publicação: