Forbes Radar: Comerc, Petrobras, JBS, BR Properties, B3 e outros destaques corporativos

Últimas notícias sobre: Allied, Cosan, GM, Odontoprev, Apple.

Artur Nicoceli
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (7), veja a aprovação pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) da compra da redes Hortifruti e Natural da Terra pela IF Capital, subsidiária da Americanas.  O órgão também aceitou a extensão de 90 dias para a aprovação do processo de incorporação da Unidas e da Localiza.

Nesta quinta-feira, termina o período de reserva de ações para pequenos investidores da Comerc, que tem estreia na bolsa prevista para a próxima quarta-feira (13).

Veja esses e outros destaques corporativos do dia:

Americanas (LAME4)

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou a compra da redes Hortifruti e Natural da Terra pela IF Capital, subsidiária da Americanas, por R$ 2,1 bilhões. A superintendência-geral do Cade aprovou a operação sem restrições.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Comerc (COMR3)

Termina hoje (7) o período de reserva de ações para pequenos investidores da Comerc, que tem estreia na bolsa prevista para a próxima quarta-feira (13). O intervalo indicativo de preço por papel é de R$ 16,87 a R$ 18,56. Considerando o preço médio de R$ 17,72, e a oferta-base de 89,8 milhões de ações, a operação pode movimentar R$ 1,6 bilhão. A companhia informou que 80% do montante será usado para a geração centralizada de energia e o restante será investido em novas plantas para geração distribuída de energia.

Allied (ALLD3)

A Allied informou que resolveu suspender os estudos a respeito da realização de oferta pública subsequente de distribuição primária e secundária de ações ordinárias de sua emissão, com esforços restritos de colocação, que seria realizada no Brasil, nos termos da legislação e regulamentação aplicáveis, e com esforços de colocação no exterior.

“A deterioração das condições de mercado e o aumento da volatilidade fizeram com que esses planos fossem adiados por tempo indeterminado”, informou a companhia via fato relevante.

Cosan (CSAN3)

O conglomerado de energia e infraestrutura Cosan juntou-se como investidora e parceira do fundo Fifth Wall Climate Tech, com sede nos Estados Unidos, em um acordo que também dá acesso preferencial a investimentos em startups desenvolvendo soluções de baixo carbono.

A Cosan é uma das maiores empresas do Brasil, controlando a distribuidora de gás natural número um do país, Comgás, e é parceira da Shell na joint venture Raízen, a maior produtora de açúcar do mundo, uma das principais fabricantes de etanol e importante distribuidora de combustíveis do país.

Fifth Wall é uma venture capital focada em tecnologia para o setor imobiliário. Seu fundo de tecnologia climática investe em soluções para descarbonizar o setor, que é responsável por cerca de 40% das emissões globais de carbono.

GM (GMCO34)

A presidente-executiva da General Motors, Mary Barra, disse ontem (6) aos investidores que a montadora planeja dobrar a receita até 2030, expandindo os lucros dos veículos a combustão conforme lança novos carros elétricos e serviços controlados digitalmente na tentativa de ultrapassar a Tesla.

Se a GM tiver sucesso, sua receita anual em 2030 será de cerca de US$ 244 bilhões, e a montadora será a líder em vendas de carros elétricos nos Estados Unidos. Considerando a atual margem de 12% de lucro bruto da GM, isso implicaria em lucros brutos anuais de até US$ 29 bilhões. Fontes disseram à Reuters anteriormente que a GM divulgará um crescimento impressionante de receita e expansão de margem.

As ambiciosas metas financeiras de Barra para 2030 são o mais recente impulso em sua campanha para convencer os investidores de que a General Motors, e não a Tesla, pode ser a líder tanto em desenvolvimento de tecnologia quanto em lucratividade, enquanto a indústria automobilística navega pela mais profunda revolução tecnológica desde o Ford Modelo T, produzido em massa.

Odontoprev (ODPV3)

A Odontoprev informou que comprou 9,9 milhões de ações no programa de recompra de ativos de setembro. Os papéis custaram na operação R$ 13,06.

Apple (AAPL34)

A Apple sofrerá uma acusação antitruste da União Europeia sobre sua tecnologia de chip NFC, disseram pessoas a par do assunto, uma medida que a coloca sob risco de possível multa pesada e que pode forçá-la a abrir seu sistema de pagamento móvel para rivais.

A companhia está na mira da chefe antitruste da União Europeia, Margrethe Vestager, desde junho do ano passado, quando ela lançou uma investigação sobre o sistema de pagamento Apple Pay.

As preocupações preliminares eram o chip NFC da Apple, que permite pagamentos sem contato por meio dos iPhones, seus termos e condições sobre como o Apple Pay deve ser usado em aplicativos e sites de comerciantes, e a recusa da empresa em permitir que rivais acessem o sistema de pagamento.

Desde então, a Comissão Europeia estreitou seu foco para apenas o chip NFC, que só pode ser acessado pelo Apple Pay, disse uma das fontes.

O responsável pela concorrência da UE está preparando agora um documento de acusação conhecido como declaração de objeções, que poderá ser enviado à Apple no próximo ano, disse uma das fontes. Esses documentos normalmente estabelecem práticas consideradas anticompetitivas pelo regulador.

A Comissão, que tem três outros processos contra a Apple, não quis comentar. O órgão executivo da UE pode multar as empresas em até 10% de seu faturamento global em caso de violação das regras da UE. Com base na receita da Apple em 2020, a multa pode chegar a US$ 27,4 bilhões.

Representantes da Apple, que citou questões de privacidade e segurança em sua política sobre o Apple Pay, não estavam imediatamente disponíveis para comentar.

Petrobras (PETR4)

A Petrobras realizou a primeira operação de transferência de óleo do FPSO Carioca, primeiro sistema de produção definitivo instalado no campo de Sépia, área da cessão onerosa, no pré-sal da Bacia de Santos, informou a companhia em nota à Reuters nesta quarta-feira.

A operação destinou o petróleo extraído pela unidade, maior plataforma em operação no Brasil em termos de complexidade, para a produção de derivados na Refinaria Henrique Lage (Revap) e na Refinaria de Paulínia (Replan), ambas em São Paulo.

A plataforma, que será também a maior unidade do país em termos de produção de petróleo quando atingir o seu pico, entrou em operação no fim de agosto e produziu, em média, 48 mil barris por dia em setembro.

Afretado junto à Modec, o FPSO Carioca está localizado a aproximadamente 200 quilômetros da costa do Estado do Rio de Janeiro, em profundidade de água de 2.200 metros, e tem capacidade para processar diariamente até 180 mil barris de óleo e comprimir até 6 milhões de m³ de gás natural.

O escoamento da produção de petróleo do FPSO é realizado por navios aliviadores e a produção de gás é escoada pelas rotas de gasodutos do pré-sal.

Google (GOGL34)

O Google anunciou nesta quarta-feira uma parceria com a Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (CET-Rio) focada em melhoria da operação dos semáforos da cidade com o uso de ferramentas de inteligência artificial.

O Rio de Janeiro será a primeira cidade a aplicar resultados de estudo feito pela companhia em Israel, que teve por objetivo treinar modelos de inteligência artificial para “melhorar e coordenar o fluxo de trânsito nas cidades”.

A empresa pretende combinar seus dados, que incluem os do serviço Maps com informações da CET-Rio para permitir que os semáforos da cidade operem com mais agilidade.

Segundo a companhia, o projeto no Rio de Janeiro deve começar a ser implementado nos próximos meses, afirmou a empresa, sem dar detalhes.

JBS (JBSS3)

A Justiça trabalhista de Santa Catarina determinou que a empresa de alimentos JBS recontrate cerca de 40 trabalhadores indígenas demitidos durante a pandemia de Covid-19, confirmando integralmente uma liminar concedida de reintegração dos colaboradores demitidos em maio de 2020.

De acordo com uma sentença proferida em 4 de outubro e vista pela Reuters, o juiz Adilton Detoni também determinou que a JBS indenize os trabalhadores indígenas por danos individuais e coletivos relacionados às demissões.

Em resposta por e-mail à Reuters, a JBS disse que não comenta os casos em andamento.

A JBS foi processada por suposta violação dos direitos dos trabalhadores indígenas após demitir cerca de 40 membros da tribo Kaingang de uma fábrica na cidade de Seara.

A ação civil pública movida em junho de 2020 pelo Ministério Público do Trabalho alegava que a JBS discriminou esses trabalhadores à medida que a nova pandemia de coronavírus aumentava no país.

Em sua decisão de 4 de outubro, o juiz Adilton Detoni condenou a JBS a pagar indenização por danos individuais de 10 vezes os salários de cada um dos trabalhadores desligados, com base no valor de seus contratos à época das demissões em massa.

Detoni também ordenou o pagamento de uma indenização coletiva equivalente a 50% do total do valor dos danos individuais a serem pagos aos demitidos, conforme a decisão.

A JBS refutou as alegações de discriminação.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

BR Properties (BRPR3)

A empresa de imóveis comerciais para renda BR Properties está perto de fazer sua estreia no mercado de fundos de investimentos imobiliários, com uma carteira de cerca de R$ 530 milhões de imóveis próprios.

Segundo o executivo, o primeiro fundo terá o nome da empresa e será todo composto por ativos próprios, de torres comerciais, como para “dar velocidade na reciclagem no estoque de imóveis”. Ele explicou que o fundo pode posteriormente ter “follow ons”, dependendo das condições do mercado.

Segundo o executivo, por ser ao mesmo tempo gestor dos imóveis e sócio do fundo, esse modelo pode dar maior confiança a investidores do que nas carteiras tradicionais ofertadas no mercado, nos quais essas atividades são segregadas.

Além disso, torres de escritórios detidos pela companhia têm tido um desempenho superior aos da média de edifícios comerciais nas grandes capitais, que estão sofrendo fortemente os efeitos da pandemia da Covid-19, com elevados níveis de vacância.

Segundo o presidente-executivo da BR Properties, Martín Andrés Jaco, a preferência da BR Properties nos últimos anos por imóveis mais próximos das regiões centrais das cidades, com acesso fácil a transporte público e dotados de maior estrutura de serviços, está se revelando acertada, porque são características procuradas por empresas, num momento em que os preços de aluguel estão mais baratos do que em 2019.

Raízen (RAIZ4)

A Raízen anunciou nesta quarta-feira a aquisição de ativos de geração de energia do Grupo Gera, que atua com projetos de geração distribuída no Brasil, em movimento para ampliar o portfólio em renováveis.

O acordo, que foi fechado por cerca de R$ 318 milhões, também inclui a criação de joint venture da Raízen com o Gera na área de desenvolvimento de novos ativos de energia e também em soluções e inovações.

B3 (B3SA3)

Ocorreu ontem (6) o toque de campainha que marcou o início de negociação das cotas de um novo fundo de investimento na B3, o Inter Infra Fundo de Investimento em Cotas de Fundos Incentivados de Investimento em Infraestrutura Renda Fixa Crédito Privado. O fundo gerido pelo Inter é destinado ao investidor geral, e passa a ter suas cotas negociadas sob o ticker BIDB11.

Sua estratégia de alocação de recurso inclui investimentos em infraestrutura brasileira, tendo em vista o crescimento exponencial do setor. O produto possibilita que o investidor tenha acesso à estratégia de construção de carteira com foco em renda fixa de gestores especializados, sendo uma alternativa de diversificação.

“Hoje temos na B3 cinco fundos desse tipo listados, o que dá ao investidor mais possibilidades de diversificação de setor dentro de suas carteiras de investimentos”, comentou Fabio Hull, Diretor de Relacionamento da B3.

Localiza (RENT3)

O Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica aceitou a extensão em 90 dias para a aprovação do processo de incorporação da Unidas e da Localiza. O prazo venceria em 8 de outubro. Agora, o Cade tem até o fim de janeiro para dar o parecer sobre a operação.

Minerva Foods (BEEF3)

A Minerva Foods recebeu um informe de que o acionista controlador VDQ Holdings pretende vender 46,7 milhões de bonus que possuem da minerva por R$ 251,8 milhões. Caso a operação seja exercida, o fundo terá aproximadamente 23,7% do capital social da exportadora de carne bovina.

WDC Networks (LVTC3)

A WDC informou que as vendas totais consolidadas desde de janeiro até setembro foram de R$ 1,1 bilhão, um crescimento de aproximadamente 56% em relação ao mesmo período de 2020

Lavvi (LAVV3)

A Lavvi informou que irá cancelar a totalidade de ações mantidas em tesouraria, ou seja, 6,4 milhões de ações, e que irá abrir um novo programa de recompra de papéis, de 8,6 milhões.

Méliuz (CASH3)

O Méliuz divulgou sua prévia operacional referente ao resultado do terceiro trimestre: foram abertas 20,8 milhões de contas abertas, o que no trimestre anterior foi de 2 milhões; e o volume bruto de mercadoria (GMV, na sigla em inglês) da companhia foi de R$ 1,4 bilhão incluindo as aquisições.

Caixa Seguridade (CXSE3)

A Caixa Seguridade informou que a subsidiária XS3 Seguros, que entrou em operação em janeiro, atingiu a marca histórica de 500 mil novas apólices de seguro residencial emitidas no balcão da Caixa Econômica Federal.

(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: