Forbes Radar: Getnet, Americanas, Johnson & Johnson e outros destaques corporativos

Últimas notícias sobre: Getnet, Johnson & Johnson, Eztec, Goldman Sachs, B3, JBS, Livetech, Americanas, a Lojas Americanas, Hapvida, Petrobras e Saraiva.

Iasmin Paiva e Mariangela Castro
Compartilhe esta publicação:

Arte / Forbes

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (18), confira a estreia de Getnet na Bolsa de Valores, após oferecerem R$ 0,25 por ação ordinária, e o novos horários de negociação que iniciam a partir de 8 de novembro na Bolsa de Valores.

Nos Estados Unidos, a Johnson & Johnson entrou com um pedido de recuperação judicial para sua subsidiária LTL Management. Deve ser criado um fundo de US$ 2 bilhões para pagamento das dívidas perante à justiça.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Getnet (GETT3)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As ações da companhia estreiam hoje (18) na B3 sob os tickers (GETT3; GETT4; GETT11), após oferecerem R$ 0,25 por ação ordinária, preferencial e unit para cada papel dos acionistas do banco Santander (SANB11).

A empresa de máquinas de cartão do banco possui 16% de participação no mercado, com um volume total de pagamento a R$ 183 milhões no primeiro semestre deste ano, um crescimento de 64% em relação ao mesmo período no ano passado.

Johnson & Johnson (JNJB34)

A Johnson & Johnson encaminhou um pedido de recuperação judicial para sua subsidiária LTL Management. Segundo o Valor, o pedido de proteção da empresa é baseado na lei de falências americana. A Johnson deve criar um fundo de US$ 2 bilhões para pagamento das dívidas perante à justiça dos Estados Unidos. A LTL acumula milhares de processos relacionados aos seus produtos à base de talco.

B3 (B3SA3)

A B3 divulgou no final de semana um ofício com novos horários de negociação que devem iniciar a partir de 8 de novembro. A abertura do mercado de ações se mantém às 10h, mas o pregão de fechamento irá acontecer até às 18h, devido ao fim do horário de verão nos Estados Unidos. O after market será suspenso, exceto nos dias de exercício de opções sobre ações.

Com a mudança, os principais derivativos de café serão negociados até às 16h, contratos relativos ao açúcar até às 15h, os derivativos de soja às 16h20, e as operações estruturadas sobre câmbio e derivativos serão encerradas às 18h30, ganho de meia hora sobre a negociação.

Apesar da mudança de horário, as negociações after hours das commodities serão mantidas às 18h.

Eztec (EZTC3)

A construtora Eztec anunciou nesta sexta-feira R$ 255 milhões em vendas no terceiro trimestre, uma queda de 10,8% sobre o período imediatamente anterior e recuo de 23,6% na comparação anual.

A companhia também divulgou lançamentos de empreendimentos que somam um valor geral de vendas (VGV) de R$ 460 milhões entre julho e o fim de setembro, queda ante os R$ 928 milhões do segundo trimestre, mas forte alta em relação aos R$ 206 milhões apurados um ano antes.

“Para as próximas semanas a companhia se movimenta para o lançamento de projeto… Entre as rodovias Anhanguera, Bandeirantes e Marginal Tietê, projeto voltado para o público de média renda cujo VGV estimado será próximo aos R$ 730 milhões”, afirmou a empresa em prévia operacional

Nesta semana, a Cyrela anunciou alta de cerca de 33% nos lançamentos do terceiro trimestre sobre um ano antes, mas queda de 20% nas vendas do período.

Goldman Sachs (GSGI34)

O Goldman Sachs divulgou nesta sexta-feira (15) uma alta de 66% no lucro do terceiro trimestre, superando as expectativas do mercado, impulsionado por receitas com assessoria para fusões e aquisições (M&A).

Os volumes de M&As globais atingiram recordes históricos, com negócios no valor de mais de 1,5 trilhão de dólares no terceiro trimestre, de acordo com dados da Refinitiv. O Goldman, maior banco de investimento de Wall Street, liderou os rankings de assessoria para fusões e aquisições no mundo, segundo a Refinitiv.

Isso levou o banco a relatar lucro líquido para acionistas ordinários de US$ 5,28 bilhões no trimestre, ante US$ 3,23 bilhões um ano antes. O lucro por ação subiu de US$ 8,98 para US$ 14,93 dólares. Os analistas, em média, esperavam lucro de 10,18 dólares por ação, de acordo com a estimativa da Refinitiv.

A unidade de banco de investimento teve o segundo melhor trimestre da história, com receita de US$ 3,7 bilhões. O Morgan Stanley divulgou na quinta-feira que seu lucro cresceu 38%, enquanto o JPMorgan informou aumento de 24%, ambos os bancos superando as estimativas com folga.

O negócio de mercados globais do Goldman, que responde por cerca de 41% da receita total, teve receita de 5,61 bilhões de dólares, alta de 23%. A receita de corretagem de ações mais do que dobrou ano a ano, para 3,1 bilhões de dólares. Diferente dos rivais JPMorgan e Citigroup, o Goldman depende muito dos negócios de banco de investimento e corretagem.

O negócio de consumo, embora pequeno, tem sido fundamental para sua estratégia de diversificação. Isso ajudou a limitar a exposição do banco a inadimplências de empréstimos e permitiu que ele se concentrasse em bancos de investimento. A receita líquida na unidade de banco de varejo do Goldman aumentou 17%, para 382 milhões de dólares, refletindo os saldos mais altos de cartões de crédito e depósitos.

O crescimento dos empréstimos foi misto para os grandes bancos americanos. O JPMorgan disse que os empréstimos subiram 5% sobre o ano passado, enquanto o Citi ficou quase estável. Bank of America e Wells Fargo relataram quedas no crescimento de empréstimos ano a ano. A receita total subiu 26%, a US$ 13,6 bilhões, superando as estimativas.

JBS (JBSS3)

A JBS anunciou nesta sexta-feira que sua controlada Swift fechou acordo para comprar a Sunnyvalley Smoked Meats, nos Estados Unidos, por US$ 90 milhões, conforme comunicado.

A Sunnyvalley produz alimentos como bacon defumado, presunto e peito de peru no varejo e no atacado sob marca própria. A receita bruta anual de Sunnyvalley é de US$ 150 milhões. O negócio inclui uma unidade de produção em Manteca, Califórnia. A empresa tem mais de 300 empregados.

“O anúncio de hoje é consistente com a estratégia de longo prazo de nossa empresa para aumentar nosso portfólio de valor agregado e marca, e oferecer produtos ainda mais diversificados para clientes e consumidores”, acrescentou a JBS no comunicado.

Livetech (LVTC3)

A empresa anunciou uma nova parceria com a Huawei, com o objetivo de participar da Divisão de Digital Power, que deve faturar aproximadamente R$ 20 bilhões em 2025, segundo cálculos da própria companhia chinesa.

A partir da parceria, a WDC Networks passará a oferecer controle inteligente de temperatura e energia, baterias de lítio, data centersmodulares e sistemas híbridos de energia. Os novos equipamentos serão capazes de suportar a infraestrutura de 5G que será implementada no Brasil.

Americanas (AMER3) e a Lojas Americanas (LAME4)

Com o exterior em mente após a combinação operacional dos negócios entre Americanas (AMER3) e Lojas Americanas (LAME4), a companhia avaliava uma possível reorganização da estrutura societária. A nova sociedade teria as ações listadas na NYSE ou na NASDAQ.

Em comunicado da empresa, é também avaliada a possibilidade de reorganização societária em território nacional, na B3 e no Novo Mercado, antes da listagem internacional. A operação será decidida pelas avaliações das empresas.

Hapvida (HAPV3)

A companhia de saúde aprovou um plano de recompra de ações de emissão própria, que terá validade de até 18 meses. Segundo fato relevante da empresa, a medida busca maximizar a geração de valor para os acionistas, através de uma administração mais eficiente da estrutura corporativa.

Petrobras (PETR4)

Sindicatos de petroleiros e entidades ambientalistas contestaram a decisão da Câmara de Conciliação do Tribunal Regional Federal da 4° Região (TRF-4), que homologou um acordo de R$ 1,4 bilhão firmado pela Petrobras para reparar um vazamento de 4 milhões de litros de óleo no mar, conforme reportagem do Valor Econômico.

O valor estimado pelas organizações era de R$ 2,2 bilhões. Além disso, questionou-se a destinação dos recursos, pois somente 10% do total pago será necessariamente destinado para as regiões afetadas pelo desastre ambiental.

Saraiva (SLED4)

Foi aprovada pelo conselho de administração da Saraiva a proposta de grupamento de ações na proporção de 35 para 1 da empresa. Com isso, a companhia teará seu capital social de R$ 301,9 milhões dividido em 1.811.719 de ações, o número atual é de 63.410.194 papéis.

Com Reuters.

Compartilhe esta publicação: