Forbes Radar: Vale, Eletrobras, Carrefour e outros destaques corporativos

Vale, Eletrobras, Ericsson, B3, XP Investimentos, Carrefour Brasil, Samsung, Stellantis, São Carlos, Embraer, PetroReconcavo, EDP, Xiaomi, GlobalFoundries e AES Brasil.

Mariangela Castro
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (20), a Eletrobras anuncia que recebeu ofício do Ministério de Minas e Energia informando a aprovação da resolução que trata da modelagem de desestatização da elétrica, conforme fato relevante divulgado ao mercado.

Além disso, a Ericsson relatou lucro do terceiro trimestre acima das estimativas, com fortes vendas de equipamentos 5G compensando a perda de participação de mercado na China continental.

A Vale também anunciou que produziu 89,4 milhões de toneladas de minério de ferro no terceiro trimestre, alta de 0,8% ante o mesmo período do ano anterior.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Eletrobras (ELET6)

A Eletrobras informou que recebeu ofício do Ministério de Minas e Energia informando que o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI) aprovou ontem (19) a resolução que trata da modelagem de desestatização da elétrica, conforme fato relevante divulgado ao mercado.

O referido ofício, segundo a Eletrobras, contém apresentação anexa com informações do conteúdo da Resolução nº 203/2021. Na véspera, a companhia informou que havia uma reunião do CPPI marcada para tratar sobre o processo de privatização.

Vale (VALE3)

A Vale produziu 89,4 milhões de toneladas de minério de ferro no terceiro trimestre, alta de 0,8% ante o mesmo período do ano anterior, informou a mineradora, pontuando que reduziu em setembro a extração de alta sílica, produto de menor qualidade, em meio a uma queda de preços.

Na comparação com o trimestre passado, houve uma alta na produção de 18,1%, pontuou a companhia, como resultado de seu plano de recuperação da extração, maior compra de terceiros e melhoras sazonais em condições climáticas, informou a empresa em relatório de produção.

As vendas do minério de ferro, por sua vez, somaram 67,8 milhões de toneladas entre julho e setembro, alta de 3,2% ante o terceiro trimestre de 2020 e avanço de 0,9% na comparação com o segundo trimestre.

Mas as condições de mercado mudaram, diante de uma queda na demanda chinesa, que vinha bastante forte até o segundo trimestre, causando um recuo nos preços da commodity.

Os preços do minério de ferro caíram no terceiro trimestre US$ 37 por tonelada base seca (dmt) do índice com teor de 62% de ferro na comparação com o trimestre anterior, destacou a empresa.

Nesse cenário, o prêmio do minério de ferro da Vale foi de US$ 6,6 por tonelada, 1,8 dólar inferior ao segundo trimestre.

Dessa forma, para o quarto trimestre, a Vale destacou que deverá reduzir sua oferta de produtos de alta sílica e baixa margem em cerca de 4 milhões de toneladas, como resultado de uma estratégia de maximização de margens, uma vez que a demanda por esse tipo de produto tem sido mais fraca.

O movimento não irá alterar sua meta de produção da commodity para o ano entre 315 milhões e 335 milhões de toneladas, mas a mineradora pontuou que o volume deverá ficar “abaixo do meio do intervalo” previsto.

Carrefour Brasil (CRFB3)

No terceiro trimestre deste ano, o Grupo Carrefour Brasil (CRFB3) registrou vendas brutas de R$ 20,8 bilhões, ganho de 7,7% em relação ao mesmo período em 2020. A empresa divulgou em comunicado que o desempenho seria de uma expansão de 6,6%.

Em comentário, o Itaú BBA afirma que os dados ficaram em linha com estimativas e que os números foram afetados negativamente pelo cenário macroeconômico atual. O banco mantém avaliação outperform para as ações do Carrefour (CRFB3) e preço-alvo de R$ 30,00 por papel. Ontem, a cotação era de R$ 18,07.

Samsung SDI e Stellantis

A fabricante sul-coreana de baterias Samsung SDI e a montadora Stellantis aceitaram produzir conjuntamente baterias para veículos elétricos para o mercado norte-americano, disse uma pessoa a par do assunto nesta terça-feira.

A Samsung SDI, da gigante de tecnologia sul-coreana Samsung Electronics, já tem fábricas dessas baterias na Coreia do Sul, China e Hungria, que abastecem clientes como BMW e Ford.

“As duas empresas chegaram a um memorando de entendimento para produzir baterias para a América do Norte”, disse a fonte à Reuters, sob condição de anonimato.

A pessoa disse que a localização da unidade está em análise e será anunciada depois. Em julho, a Reuters publicou que a Samsung SDI avaliava construir uma fábrica de baterias nos EUA.

Samsung SDI e Stellantis não fizeram comentários imediatos. A Stellantis fechou na véspera um acordo preliminar com a LG Energy Solution, fabricante de baterias da Coreia do Sul, para produzir células e módulos de bateria para a América do Norte.

Ericsson (E1RI34)

A sueca Ericsson relatou lucro do terceiro trimestre acima das estimativas, uma vez que as fortes vendas de equipamentos 5G na maior parte do mundo compensaram a perda de participação de mercado na China continental e os problemas da cadeia de abastecimento global.

A Suécia proibiu a chinesa Huawei de vender equipamentos 5G no país há um ano e a Ericsson desde então perdeu grande parte de sua participação nas últimas rodadas de licitações de telecomunicações na China.

A proporção da receita que a Ericsson obtém da China caiu para cerca de 3% do total, de 10% a 11%, disse o diretor financeiro Carl Mellander, mas a Ericsson preencheu as lacunas deixadas pela Huawei em vários países diante de pressão do governo dos EUA.

As vendas na China caíram 3,6 bilhões de coroas suecas (US$ 418,1 milhões) no terceiro trimestre e a empresa planeja redesenhar sua organização de vendas e entregas no país.

A Ericsson, rival da Nokia, também disse que os problemas da cadeia de suprimentos global começaram a piorar. A empresa não foi capaz de entregar determinados hardwares para seus clientes devido à falta de chips, além de problemas de logística, levando a uma queda na receita, disse Mellander.

O lucro trimestral ajustado subiu para 8,8 bilhões de coroas suecas (US$ 1,02 bilhão) de 8,6 bilhões um ano atrás, superando a previsão média de 7,85 bilhões, de acordo com estimativas de analistas, segundo a Refinitiv.

Assegurar contratos 5G de todas as três empresas de telecomunicações dos EUA – Verizon, AT&T e T-Mobile – ajudou a empresa a absorver as perdas na China. A receita total caiu 2%, para 56,3 bilhões de coroas, abaixo dos 58,14 bilhões de coroas previstos pelos analistas.

Embraer (EMBR3)

A Embraer (EMBR3) assinou acordo com a Republic Airways para utilização de sua plataforma de coordenação de manutenção Beacon, da EmbraerX. O valor do acordo não foi revelado.

Em comunicado, a empresa esclareceu que a Beacon será utilizada pela Republic para apoiar as operações de manutenção e acelerar o tempo de retorno das aeronaves à aporeação.

B3 (B3SA3)

A operadora de infraestrutura de mercado B3 anunciou ontem (20) que fechou a compra de 100% da empresa de big data e inteligência artificial Neoway por R$ 1,8 bilhão. Segundo a B3, que havia anunciado as negociações para compra da Neoway na última quinta-feira (14), a operação será paga com recursos do caixa.

A Neoway, que presta serviço para mais de 500 empresas dos mais diferentes setores, projeta receita de aproximadamente R$ 190 milhões para 2022.

Leo Monteiro, analista de research da Ativa Investimentos, avalia que o negócio está em linha com a estratégia da B3 de diversificar suas frentes de negócio, “reforçando, no caso específico, o segmento de tecnologia, dados e serviços, que hoje corresponde a aproximadamente 13% da receita líquida total da companhia.”

XP Investimentos (XPBR31)

A plataforma de investimentos XP anunciou ontem (20) a compra de participação da gestora de ativos AZ Quest, por valor não revelado. “A aquisição faz parte da estratégia da XP de desenvolver o mais completo ecossistema de gestores e distribuidores do Brasil”, afirmou a corretora em comunicado.

A transação, feita em parceria com o fundo XP Private Equity, dá a ambas a opção de aumentar a participação nos próximos 2 anos na AZ Quest, que tem como principal acionista o grupo italiano Azimut. A XP terá um assento no conselho da AZ Quest, que manterá autonomia operacional.

São Carlos (SCAR3)

A São Carlos (SCAR3) divulgou a aquisição de 41 imóveis que totalizam valor de R$ 382,3 milhões. Os imóveis foram adquiridos da Altsa Property Gestão de Ativos.

PetroReconcavo (RECV3)

A PetroReconcavo (RECV3) anunciou crescimento de 1,6% de sua produção no terceiro trimestre do ano, em comparação com o trimestre anterior.

EDP (ENBR3)

A EDP Brasil, da portuguesa EDP, assinou contrato para a venda de 100% do capital de três de seus empreendimentos de transmissão de energia para a Actis Assessoria de Investimentos. A companhia tem a expectativa de assinar a venda de hidrelétricas até o fim deste ano, disse à Reuters o presidente no Brasil, João Marques da Cruz.

Os ativos vendidos são a EDP Transmissão S.A. (Lote 24), a EDP Maranhão I S.A. (Lote 7) e a EDP Maranhão II S.A. (Lote 11), que somam 439 Km de extensão, têm receita anual permitida (RAP) de R$ 131 milhões e são avaliadas de R$ 1,32 bilhão.

O valor da venda não foi anunciado, mas Cruz frisou que foi “um bom negócio”, também por ter sido concluído em menos de uma semana após a portuguesa arrematar a elétrica Celg Transmissão (Celg T), de Goiás, em leilão de privatização na semana passada, por R$ 1,977 bilhão, com ágio de 80,10% ante o mínimo previsto.

A operação de venda ainda deverá ser aprovada pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), além do Banco do Nordeste do Brasil e de debenturistas do Lote 24.

AES Brasil (AESB3)

A AES Brasil (AESB3) investiu R$ 2,4 milhões em tecnologia com o intuito de prever a influência do comportamento climático do Brasil nos próximos 30 anos. Com isso, a empresa espera poder trabalhar na geração de energia eólica e solar.

De acordo com a AES, o projeto desenvolvido pelas empresas WayCarbon e Enacom vai auxiliar a companhia a gerir no longo prazo um portfólio de energia renovável.

Xiaomi (HKG: 1810)

O presidente-executivo da firma chinesa de produtos eletrônicos Xiaomi, Lei Jun, disse que a empresa vai produzir seus próprios carros elétricos a partir do primeiro semestre de 2024.

Zang Ziyuan, diretor no departamento internacional de marketing da Xiaomi, também públicou o anúncio em sua conta na rede social chinesa Weibo. O anúncio marca o avanço da divisão de veículos elétricos da Xiaomi, apresentada formalmente pelo grupo no início deste ano.

As ações Xiaomi subiram 5,4%, maior ganho percentual diário desde 12 de maio. Em março, a Xiaomi afirmou que investiria 10 bilhões de dólares na divisão de veículos elétricos nos próximos 10 anos.

GlobalFoundries

A fabricante de chips GlobalFoundries, controlada apelo fundo soberano de Abu Dhabi, Mubadala Investment, visa uma avaliação de cerca de US$ 25 bilhões em seu IPO (oferta pública inicial de ações) nos Estados Unidos.

A listagem deve terminar um ano recorde para IPOs, depois que vários grandes nomes como Robinhood Markets, Coinbase Global e Roblox pegaram carona no boom do mercado de ações ocorrido no início de 2021.

Os IPOs nos Estados Unidos já atingiram um recorde histórico de mais de US$ 250 bilhões este ano, de acordo com dados da Dealogic.

No prospecto apresentado às bolsas de valores hoje (19), a GlobalFoundries definiu uma faixa de preço entre US$ 42 e US$ 47 por ação para o IPO. No limite superior da faixa, a empresa deve arrecadar cerca de US$ 2,6 bilhões. Incluindo o “green shoe”, que permite às empresas vender ações adicionais durante um IPO, a GlobalFoundries pode ser avaliada em cerca de US$ 26 bilhões.

A Mubadala, que está vendendo 22 milhões de ações no IPO, terá uma participação de 89,4% na GlobalFoundries e controle de 89,4% do poder de voto, após a listagem e a colocação privada, de acordo com o prospecto.

A receita da GlobalFoundries estava em declínio desde 2018, mas nos últimos 12 meses o crescimento da empresa se recuperou à medida que a demanda mundial por chips disparou.

Compartilhe esta publicação: