Iata critica alta de tarifas sobre setor aéreo na AL

Associação projeta perda para as companhias aéreas da América Latina de US$ 5,6 bilhões neste ano

Redação
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

De acordo com a Iata, os mercados domésticos devem atingir quase 75% dos níveis pré-pandêmicos até o fim deste ano

Acessibilidade


Os países latino-americanos mostram uma tendência crescente de aumento de impostos e tarifas sobre a atividade aérea, em um momento em que o setor se recupera da crise devido à pandemia de Covid-19, afirmou hoje (25) a principal órgão comercial da indústria.

A Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo) disse que a Argentina implementou impostos adicionais sobre as vendas de passagens, aumentou a taxa de embarque internacional, enquanto a Costa Rica planeja aumentar as taxas de segurança do aeroporto de San José em mais de 70%.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Além disso, a República Dominicana planeja aumentar as taxas de manuseio em terra em pouco mais de 6% no próximo ano e El Salvador está adicionando uma taxa de inspeção agrícola às passagens aéreas, disse o diretor-geral da Iata, Willie Walsh.

Ele frisou que embora a região registre uma recuperação do tráfego aéreo, “observamos uma tendência crescente dos nossos chamados parceiros de aumento de impostos e taxas”, referiu as autoridades de alguns países.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Esses [aumentos] são inaceitáveis ​​em tempos de crise e não podemos tolerar que outros sigam seus passos”, disse ele durante a reunião anual de companhias aéreas da América Latina e do Caribe, em Bogotá.

Walsh revelou que a Iata projeta perda para as companhias aéreas da América Latina de US$ 5,6 bilhões neste ano, que cairia para cerca de US$ 3,7 bilhões em 2022.

“Esta crise vai além de tudo o que já vivemos”, disse o Walsh. “A boa notícia, porém, é que acho que o pior já passou e podemos ver um caminho para a normalidade.”

De acordo com a Iata, os mercados domésticos devem atingir quase 75% dos níveis pré-pandêmicos até o fim deste ano, embora as viagens internacionais alcancem 22% antes da crise devido às restrições provocadas pela Covid-19.

Compartilhe esta publicação: