Ibovespa abre em alta e acompanha movimento de recuperação global

O dólar avança ante o real com cautela dos investidores internacionais.

Iasmin Paiva
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta na abertura do pregão de hoje (5), ganhando 0,13%, a 110.541 pontos perto das 10h16, horário de Brasília. O mercado doméstico volta sua atenção para dados econômicos nesta manhã, enquanto segue atento às decisões fiscais em Brasília. No exterior, as perspectivas de crescimento dos Estados Unidos seguem no radar dos investidores, e a decisão da Opep+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados) de ontem (4), que fez o preço da commodity subir, continua a repercutir nos mercados globais e a alimentar temores de alta da inflação.

A produção industrial brasileira registrou queda de 0,7% em agosto na comparação com julho, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira. Em relação a agosto de 2020, a produção também recuou 0,7%. Pesquisa da Reuters com economistas apontava expectativa de queda de 0,4% na variação mensal e estabilidade na anual.

Filipe Villegas, estrategista de ações da Genial Investimentos, afirma que o Brasil vem sendo muito questionado em relação ao crescimento e ao desempenho econômico, já que os números anteriores acabaram decepcionando o mercado. “O Brasil segue em descompasso com o mercado internacional desde meados de junho”, diz.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O mercado doméstico aguarda os resultados de setembro do PMI (Índice Gerente de Compras) composto e do setor de serviços, que serão divulgados ainda hoje.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em Brasília, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), se reuniu com lideranças partidárias na noite de ontem para discutir a alta nos preços dos combustíveis. Além disso, o relator da reforma tributária, Roberto Rocha (PSDB-MA), afirmou que há articulação no Congresso para que a proposta seja votada junto com o projeto que prevê novas regras para o imposto de renda.

“A CAE [Comissão de Assuntos Econômicos] vota o projeto do Imposto de Renda e a CCJ [Comissão de Constituição e Justiça] vota a PEC 110 [da reforma tributária]. O plenário vota as duas e encaminha para a Câmara, que vota o Refis e a CBS [contribuição sobre bens e serviços] que está lá. A soma desses quatro projetos está sendo chamada de reforma ampla”, afirmou ele em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo publicada nesta terça.

O dólar avança ante o real, após forte pressão compradora na véspera, em meio a cautela tanto no cenário global quanto no nacional. Às 10h16, o dólar subia 0,08%, a R$ 5,4492.

As Bolsas dos Estados Unidos ensaiam abertura em alta, em movimento de recuperação após as vendas em massa vistas na véspera. O mercado também aguarda os resultados do payroll, o relatório mensal de empregos do país que será divulgado na próxima sexta-feira (8), e digere os dados de agosto da balança comercial.

O déficit comercial dos EUA aumentou 4,2%, chegando a US$ 73,3 bilhões no mês passado, informou o Departamento do Comércio nesta terça-feira. Economistas consultados pela Reuters esperavam US$ 70,5 bilhões. O resultado foi impulsionado pelas importações, com empresas nacionais recompondo seus estoques, e indica desaceleração do crescimento econômico no terceiro trimestre.

Os índices da Europa operam no azul, também em recuperação das quedas de ontem, enquanto investidores analisam resultados macroeconômicos importantes na região. A agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, informou que os preços ao produtor na zona do euro subiram 1,1% em agosto em relação a julho e 13,4% na comparação anual, impulsionados pelos custos da energia e por bens intermediários mais caros. Economistas consultados pela Reuters esperavam alta mensal de 1,3%, e anual, de 13,5%.

Além disso, o PMI Composto final da IHS Markit, que mostra a atividade empresarial do bloco, caiu a 56,2 no mês passado, ante 59,0 em agosto, mas se manteve acima da marca de 50 que separa crescimento de contração, e pouco acima da preliminar de 56,1.

O Stoxx 600 sobe 0,64%; na Alemanha, o DAX avança 0,42%; o CAC 40 valoriza 0,83% na França; na Itália, o FTSE MIB é negociado em alta de 1,17%. Enquanto no Reino Unido, o FTSE 100 cresce 0,53%.

As ações asiáticas, por sua vez, encerraram o pregão sem direção definida. Os mercados na China seguem fechados para o feriado, e voltam a operar na próxima sexta-feira (8). Em Hong Kong, as ações petrolíferas foram beneficiadas pela reunião da Opep+, enquanto o mercado imobiliário continua registrando quedas diante do caso Evergrande.

O Hang Seng, de Hong Kong, subiu a 0,28%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou em alta de 0,75%. No Japão, o índice Nikkei se desvalorizou 2,19%, reagindo ao movimento de queda dos Estados Unidos no dia anterior.

Os preços do petróleo operam no azul, depois que a Opep+ decidiu manter seu plano de aumento gradual da produção em vez de anunciar um aumento maior. Por volta das 10h00, o petróleo Brent subia 1,33% para US$ 82,35 o barril, enquanto o WTI avançava 1,43%, a US$ 78,73 o barril. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: