Ibovespa abre em leve alta nesta quinta-feira

O dólar recua ante o real diante de inflação nos EUA.

Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta de 0,31%, a 113.804 pontos, às 10h10, horário de Brasília, do pregão de hoje (14). Os mercados reagem a dados de inflação e do mercado de trabalho dos Estados Unidos, enquanto investidores globais seguem avaliando e calculando perspectivas de crescimento e recuperação econômica global para os próximos anos. No Brasil, o desempenho do setor de serviços é o principal dado do dia para os investidores, que também repercutem a decisão sobre o ICMS pelo Congresso.

Nos indicadores, o volume do setor de serviços do Brasil cresceu 0,5% em agosto em relação a julho, e teve alta de 16,7% na comparação com o mesmo mês do ano anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira. O número veio em linha com a expectativa do mercado, que calculava alta de 0,5% na comparação mensal, e 16,3% na anual, segundo consenso da Refinitv.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, destaca que o avanço robusto na comparação anual se deve à base de referência extremamente deprimida no ano passado. “Por ora, o resultado da indústria na semana passada, somado ao dos serviços nos fez manter a cautela, e a perspectiva de crescimento [do PIB] em 4,5% para 2021 permanece.”

Em Brasília, repercute a aprovação pela Câmara dos Deputados, do projeto que torna fixo o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) incidente sobre os combustíveis.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O texto foi enviado ao Congresso pela equipe presidencial, que credita a alta dos combustíveis aos governadores e ao ICMS cobrado pelos entes da Federação. Os governos estaduais afirmam, porém, que sofrerão perda de R$ 24 bilhões com o projeto, e apontaram a política de preços praticada pela Petrobras como a verdadeira responsável pelos altos preços praticados no país.

No câmbio, os dados da inflação norte-americana geram impacto nesta manhã, com o dólar cedendo terreno frente ao real. Às 10h10, a divisa caía 0,32%, a R$ 5,4904.

Os índices futuros das Bolsas norte-americanas apontam para uma abertura em alta, com o mercado digerindo resultados de inflação e do mercado de trabalho. O indicador de preços ao produtor subiu 0,5% em setembro ante o mês anterior, abaixo da expectativa de alta de 0,6% calculada pelo Refinitiv. Na comparação anual, o avanço foi de 8,6%, também abaixo dos 8,7% esperados.

Já o Departamento do Trabalho registrou 293 mil novos pedidos de auxílio-desemprego na semana encerrada em 9 de outubro, abaixo dos 319 mil esperados pelo mercado, e também inferior dos 329 mil divulgados na semana anterior.

Além disso, a agenda de resultados financeiros segue no país, com dados de grandes bancos sendo divulgados ainda hoje, como Wells Fargo, Citigroup e Morgan Stanley. O Bank of America superou as estimativas de lucro do terceiro trimestre, com alta no lucro líquido dos acionistas ordinários aumentou. O montante somou US$ 7,26 bilhões, ou US$ 0,85 por ação, ante US$ 4,44 bilhões, ou US$ 0,51 por ação, um ano antes.

Os mercados europeus operam no positivo, com investidores reagindo aos dados de inflação e balanços financeiros nos EUA enquanto seguem acompanhando com cautela a política monetária no continente. Olli Rehn, membro do BCE (Banco Central Europeu), destacou que as expectativas atuais para a inflação na zona do euro subiram a 1,9% para o médio prazo, e estão em linha com a estratégia do Banco.

O Stoxx 600 opera em alta de 1,02%; na Alemanha, o DAX sobe 1,09%; enquanto o CAC 40 valoriza 1,06% na França; na Itália, o FTSE MIB é negociado em alta de 1,16%; enquanto o FTSE 100 avança 0,77% no Reino Unido.

Os mercados asiáticos fecharam com resultados mistos. Na China, o índice de preços ao produtor subiu 10,7% em setembro na comparação com o mesmo período do ano anterior, informou a Agência Nacional de Estatísticas. Foi a maior alta desde que a agência começou a compilar os dados, em 1996. Economistas consultados pela agência Reuters esperavam um avanço de 10,5%, após elevação de 9,5% em agosto.

De acordo com a pesquisa, a justificativa do resultado foi o aumento dos custos das commodities, mas a demanda fraca limitou a alta dos preços ao consumidor, deixando as autoridades com o dilema entre dar suporte à economia e alimentar mais os preços ao produtor. Rafaela Vitória, economista-chefe do Banco Inter, explica que “os gargalos de oferta no pós pandemia são desafios no mundo todo, resultando em menos crescimento e mais inflação”.

O Hang Seng, de Hong Kong, não abriu nesta quinta-feira, devido ao feriado na região; o BSE Sensex, de Mumbai, fechou com alta de 0,94%; enquanto no Japão o índice Nikkei valorizou 1,46%; e, na China, o índice Shanghai recuou 0,10%.

O preço do minério de ferro em Dalian, na China, caiu nesta quinta-feira em meio ao pessimismo sobre a perspectiva de demanda chinesa, com Pequim se tornando mais agressiva do que o esperado ao impor controles de produção de aço no primeiro trimestre de 2022. O minério de ferro mais negociado de janeiro na Bolsa de Commodities de Dalian fechou com recuo de 2,9%, a 736 iuanes (US$ 114,37) a tonelada.

Já os preços do petróleo operam em alta nesta manhã, com queda nos estoques de gasolina nos EUA e o aumento no preço do gás natural, que pode provocar uma troca por petróleo como combustível de aquecimento. Por volta das 9h45, o petróleo Brent subia 1,27%, a US$ 84,24 o barril, enquanto o WTI avançava 1,18%, a US$ 81,39 o barril. (com Reuters)

Compartilhe esta publicação: