Ibovespa acompanha Wall Street e fecha no maior patamar em um mês

Venda de lojas Extra Hiper pelo GPA ao Assaí repercutiu no setor varejista e levou Magazine Luiza e Americanas a fecharem em alta.

Diana Lott
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou hoje (15) em alta de 1,33%, a 114.691 pontos, impulsionado pelo bom desempenho de Wall Street, onde os resultados dos primeiros balanços desta temporada têm animado investidores. A recuperação das companhias brasileiras dos setores de metais, celulose e bancos também contribuiu para a Bolsa encerrar esta sexta-feira no maior patamar desde 15 de setembro. O ganho acumulado da semana foi de 1,6%.

O destaque positivo do dia foi o Grupo GPA (PCAR3), que fechou com forte alta de 12,36%, a R$ 31,10, após anunciar a venda de 71 lojas Extra Hiper para o Assaí, decisão que marca o início da saída do grupo do segmento de lojas hipermercados. A notícia repercutiu em todo o setor varejista. O rival Atacadão (CRFB3), controlado pelo Carrefour, subiu 3,61%; Americanas (AMER3) avançou 10,52%; Lojas Renner (LREN3) cresceu 3,32%; e Magazine Luiza (MGLU3) teve alta de 2,75%.

A PDG Realty (PDGR3), que não integra o Ibovespa, disparou 94,51% e fechou a R$ 3,19. A construtora anunciou na noite de ontem (14) o encerramento do processo de recuperação judicial iniciado em 2017, após cumprir obrigações previstas no plano de reestruturação.

Em Wall Street, os principais índices fecharam em alta com investidores otimistas em relação aos resultados do terceiro trimestre dos grandes bancos norte-americanos. O Dow Jones avançou 1,09%, a 35.294 pontos; o S&P 500 teve aumento de 0,75%, a 4.471 pontos, e o Nasdaq cresceu 0,50%, a 14.897 pontos.

O mercado também recebeu positivamente o posicionamento do Banco Central da China sobre o caso Evergrande. A autarquia afirmou que os problemas de dívida da incorporadora são administráveis e que as autoridades pediram à companhia que intensifique as alienações de ativos e a retomada dos projetos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O dólar fechou em queda de 1,10%, a R$ 5,4520 na venda, após o terceiro dia seguido de interferência do Banco Central brasileiro no mercado de câmbio. A autarquia vendeu nesta sexta-feira 20 mil contratos de swap cambial tradicional, o equivalente a US$ 1 bilhão. A cotação da moeda norte-americana também recuou após sinalização do diretor de política monetária do BC, Bruno Serra, de que a autarquia intervirá quando necessário.

Para Cristiane Quartaroli, economista do Banco Ourinvest, também contribuíram para a queda do dólar o cenário positivo nos mercados internacionais e o anúncio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de que a proposta de emenda à Constituição (PEC) que altera a regra do pagamento dos precatórios deve ser votada até a quinta-feira da próxima semana.

A cotação de hoje reduziu a alta acumulada do dólar em outubro para 0,09%. Em 2021, porém, a moeda ainda se valoriza 5,07% ante o real. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: