Ibovespa limita perdas após Guedes negar saída, mas tem pior fechamento do ano

Repercussão de planos para driblar teto de gastos levou a Bolsa a acumular queda de 7,28% na semana e de 10,68% neste ano.

Diana Lott
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa registrou hoje (22) o pior fechamento do ano, chegando a 106.296 pontos, uma queda de 1,34%, após um pregão de muita volatilidade influenciado pelas turbulências políticas vindas de Brasília. A repercussão da decisão do governo federal de driblar o teto de gastos para ampliar o Auxílio Brasil, programa que substituirá o Bolsa Família, seguiu pautando o mercado.

O índice acumulou perda de 7,28% na semana, a maior desde o início da pandemia, e de 10,68% no ano. Após chegar à mínima intradiária de 102.853, teve pequena recuperação a partir do momento que o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou relatos de que deixaria o cargo. O anúncio de Esteves Colnago para a Secretaria Especial do Orçamento e Tesouro também ajudou a acalmar o mercado. A pasta era liderada por Bruno Funchal, que pediu demissão ontem (21), junto com outros nomes-chave do ministério, em meio à crise instalada em torno do teto de gastos.

LEIA MAIS: Não queremos tirar 10 no fiscal e deixar brasileiros passando fome, diz Guedes

O dólar recuou 0,65%, fechando a R$ 5,6282 na venda. “Esse pequeno ajuste que ocorreu após a fala de Guedes não significa, de forma alguma, que há um alívio nos mercados. […] Quando pensamos em um patamar de R$ 5,60, que é onde estamos agora, não dá para falar que não há um cenário de aversão ao risco”, diz Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest.

“O mercado não gostou das questões fiscais, ainda enxerga [o movimento do governo] como uma pedalada fiscal […] e devemos seguir convivendo com bastante volatilidade”, acrescenta ela. A moeda norte-americana encerrou a semana com alta de 3,11%, a mais acentuada desde a semana finda em 9 de julho deste ano, quando avançou 4,01%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na contramão do Ibovespa, a Klabin (KLBN11) disparou e registrou a maior alta do dia, de 7,56% , depois de o Bank of America reforçar recomendação de compra para a ação. A Suzano (SUZB3), também do setor de celulose, estendeu os ganhos da véspera impulsionados pelo anúncio de que antecipou de 2030 para 2025 sua meta de remover 40 milhões de toneladas de CO2 da atmosfera.

A Vale (VALE3) também surpreendeu ao subir 1,36% no mesmo dia em que os preços do minério de ferro, seu principal produto, registraram queda. As ações da mineradora se valorizaram após a incorporadora chinesa Evergrande pagar um cupom de US$ 83,5 milhões de um título de sua dívida, evitando assim um novo calote e aliviando as tensões dos investidores. O país asiático é o principal mercado consumidor da companhia brasileira.

O noticiário doméstico intenso deixou a influência positiva dos mercados internacionais em segundo plano. Em Wall Street, o Dow Jones subiu 0,21%, a 35.677 pontos; o S&P 500 cedeu 0,11%, a 4.544 pontos; e o Nasdaq teve queda de 0,82%, a 15.090 pontos. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: