IGP-DI recua com alívio na inflação ao produtor, mas pressão aumenta para consumidor, diz FGV

A queda de 0,55% do índice geral foi influenciado pelos decréscimos expressivos nas taxas do minério de ferro e outras commodities importantes.

Redação
Compartilhe esta publicação:
David Gray/Reuters
David Gray/Reuters

Quedas expressivas nas taxas do minério de ferro impactaram o IGP-DI de setembro

Acessibilidade


O IGP-DI (Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna) acelerou a queda em setembro, informou a FGV hoje (6), com decréscimos expressivos nas taxas do minério de ferro e outras commodities importantes aliviando a inflação ao produtor, embora a pressão tenha aumentado no varejo.

O IGP-DI teve queda de 0,55% em setembro, depois de recuar 0,14% em agosto. O resultado levou a alta acumulada em 12 meses a 23,43%, mas o recuo foi mais fraco do que a expectativa em pesquisa da Reuters de que o índice cairia 0,68%.

VEJA TAMBÉM: Vendas no varejo do Brasil recuam 3,1% em agosto na comparação com julho, aponta IBGE

Os dados da FGV mostraram que o IPA-DI (Índice de Preços ao Produtor Amplo), que responde por 60% do indicador geral, teve em setembro queda de 1,17%, depois de cair 0,42% no mês anterior.

“A queda de 22,11% registrada no preço do minério de ferro influenciou novamente o resultado da inflação ao produtor”, explicou em nota André Braz, coordenador dos índices de preços. “Afora o comportamento do minério, os preços de outras commodities importantes também apresentaram quedas, como milho (5,26% para -5,10%), bovinos (-0,24% para -2,69%) e soja (4,25% para -0,32%).”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Entre os grupos componentes do IPA, o destaque ficou com as Matérias-Primas Brutas, que aceleraram a queda a 5,75% em setembro, ante 4,17% no mês anterior.

O consumidor, por outro lado, viu no mês maior pressão, já que o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) — que responde por 30% do IGP-DI — acelerou a alta a 1,43%, de 0,71% em agosto.

O grupo Habitação acelerou sua alta para 2,59% no mês passado, de 0,59% anteriormente, refletindo salto de 8,52% na tarifa de eletricidade residencial, contra taxa de 0,93% em agosto.

VEJA TAMBÉM: Indústria no Brasil cai em agosto e fica quase 3% abaixo do nível pré-pandemia

Já o INCC (Índice Nacional de Custo de Construção) subiu 0,51% em setembro, de uma alta de 0,46% no mês anterior.

O IGP-DI é usado como referência para correções de preços e valores contratuais. Também é diretamente empregado no cálculo do PIB e das contas nacionais em geral. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: