Inflação na zona do euro salta para máxima em 13 anos em setembro

Os preços nos países que adotam o euro como moeda subiram devido ao aumento nos custos de energia e o impacto de gargalos de produção e oferta

Redação
Compartilhe esta publicação:
Yara Nardi/Reuters
Yara Nardi/Reuters

Mercado a céu aberto em Roma, Itália

Acessibilidade


A inflação na zona do euro atingiu máxima de 13 anos em setembro e deve saltar ainda mais, obscurecendo a visão benigna do Banco Central Europeu sobre o maior aumento de preços desde antes da crise financeira global.

A inflação ao consumidor nos 19 países que usam o euro acelerou a 3,4% em setembro sobre o ano anterior, de 3% em agosto, chegando à leitura mais elevada desde setembro de 2008 e acima da expectativa de analistas de 3,3%, mostraram hoje (1) dados da agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat.

LEIA TAMBÉM: Real fecha pior trimestre desde o início da pandemia e encara fim de ano desafiador

Os preços subiram devido principalmente ao aumento nos custos de energia, diante da reversão na queda dos preços do petróleo que aconteceu durante a pandemia de Covid-19, mas o impacto de gargalos de produção e oferta também pesou com os preços dos bens duráveis aumentando 2,3% em relação a agosto.

Com os preços do gás natural saltando e gargalos impactando tudo, de produção de carros à fabricação de computadores, a inflação pode atingir 4% até o final do ano, duas vezes a meta do BCE, antes do que o banco prevê que será uma queda relativamente rápida no início de 2022.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mas os problemas na cadeia de oferta parecem estar piorando, aumentando as chances de o salto da inflação chegar ao núcleo dos preços e criar pressões mais permanentes com as empresas ajustando os preços e as políticas salariais. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: