Minério de ferro mantém IGP-10 em queda

Já o IPC-10 acelerou o avanço para 1,26% em outubro

Redação
Compartilhe esta publicação:
David Gray/Reuters
David Gray/Reuters

Em queda de 0,31% no IGP-10, minério de ferro alivia inflação ao produtor

Acessibilidade


O IGP-10 (Índice Geral de Preços-10) registrou em outubro queda de 0,31%, depois de recuar 0,37% no mês anterior, com o minério de ferro continuando a aliviar a inflação ao produtor, embora a pressão para o consumidor tenha aumentado.

O dado informado hoje (15) pela FGV (Fundação Getulio Vargas) levou o acumulado em 12 meses a alta de 22,53%. A expectativa em pesquisa da Reuters para o dado mensal era de queda de 0,38%.

LEIA TAMBÉM: Como a Zymergen implodiu quatro meses após seu IPO de US$ 3 bilhões

Medindo a variação dos preços no atacado e respondendo por 60% do índice geral, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) recuou 0,77% no mês, ante queda de 0,76% em setembro.

“O preço do minério de ferro registrou nova queda, agora de 19,46% e, mais uma vez, manteve a taxa do IGP-10 em terreno negativo”, escreveu André Braz, coordenador dos índices de preços. Em setembro, o minério de ferro também havia registrado recuo, embora ligeiramente mais acentuado, de 22,17%

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Milho (-4,99%) e bovinos (-4,11%) também registraram taxas negativas, o que contribuiu para o arrefecimento das pressões inflacionárias ao produtor”, afirmou Braz.

Já o IPC-10 (Índice de Preços ao Consumidor), que responde por 30% do índice geral, acelerou o avanço para 1,26% em outubro, de 0,93% no mês anterior.

Seis das oito classes de despesa componentes do IPC registraram acréscimo em suas taxas de variação. O grupo Habitação acelerou a alta para 1,67%, de 1,33% anteriormente, enquanto os Transportes ampliaram os ganhos a 1,23%, contra 0,97% no mês anterior.

“Os preços ao consumidor seguem sob forte influência dos aumentos registrados para energia elétrica e combustíveis”, disse André Braz. A tarifa de eletricidade residencial acelerou a alta para 5,41% em outubro, de 3,06% antes, enquanto os preços da gasolina avançaram 2,49%, ante 1,72% em setembro.

O INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), por sua vez teve alta de 0,53% em outubro, depois de subir 0,43% em setembro.

O IGP-10 calcula os preços ao produtor, consumidor e na construção civil entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: