Reino Unido aciona militares contra crise de combustível

Toda as cadeias de suprimento do país à beira do colapso devido à carência de mão de obra para a distribuição.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Andrew Boyers/Reuters
Andrew Boyers/Reuters

Militares britânicos em depósito de combustíveis da BP em Hemel Hempstead, no Reino Unido

Acessibilidade


Militares britânicos em uniforme de combate chegaram a um depósito da BP hoje (4) depois que o governo ordenou que o Exército ajude a distribuir combustíveis para enfrentar uma grande falta de caminhoneiros, disse um repórter da Reuters.

Toda as cadeias de suprimento do Reino Unido, da carne de porco e de ave à gasolina, aos remédios e ao leite, estão à beira do colapso devido à carência de mão de obra decorrente do Brexit e da Covid.

VEJA TAMBÉM: Reino Unido tem dia de caos com postos sem combustíveis e falta de remédios

As compras de combustível por impulso em meio à falta de caminhoneiros provocaram cenas de caos em grandes cidades na semana passadas em meio às filas longas de motoristas. Alguns trocaram socos nas bombas, enquanto outros armazenaram combustível em garrafas de água velhas.

“Como precaução extra, convocamos os motoristas extras”, disse o ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak, à rádio LBC.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A situação está melhorando agora, acho, há mais de uma semana todos os dias… está melhorando, e à medida que a procura volta a níveis mais normais, a grande expectativa é que as coisas se resolverão.”

Repórteres da Reuters disseram ter visto ao menos duas dezenas de postos de combustível ainda fechados em Londres e no sul da Inglaterra. Motoristas ainda faziam fila diante dos postos abertos.

A Associação de Varejistas de Petróleo disse que cerca de 22% dos postos da capital inglesa e do sudeste ainda estão sem combustível, e seu diretor-executivo, Gordon Balmer, disse que pode levar de uma semana a 10 dias para os estoques voltarem ao normal. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: