Risco-Brasil bate máxima em seis meses com mercados em pânico por fiscal

Há risco de governo furar teto de gastos, o que, para investidores, ameaça a trajetória da dívida pública

Redação
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Medida do risco-país baet máxima em seis meses enquanto governo tenta furar teto de gastos

Acessibilidade


Uma medida do risco-país subiu hoje (21) ao maior nível em mais de seis meses, num dia de forte turbulência nos mercados financeiros brasileiros diante do pavor de descontrole das contas públicas.

O CDS (Credit Default Swap) de cinco anos do Brasil bateu 211,200 pontos-base, ante 210,710 pontos-base da véspera, indo ao patamar mais alto desde 14 de abril (214,27 pontos-base).

LEIA TAMBÉM: Unilever alerta para maior alta de preços à medida que a inflação piora

O CDS (Credit Default Swap) é um derivativo que funciona como uma espécie de seguro contra calote de uma dívida –seja soberana ou corporativa– e tem precificação baseada no risco de base dos Treasuries, os títulos do governo dos EUA, considerados o ativo mais seguro do mundo.

O dólar futuro já beira R$ 5,70, as taxas dos contratos futuros de juros negociados na B3 saltavam até 90 pontos-base e o Ibovespa afundava 4,6%, com o mercado descontando nos preços uma acentuada deterioração na percepção de risco fiscal conforme o governo busca furar o teto de gastos, o que, para investidores, coloca em risco a trajetória da dívida pública. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Compartilhe esta publicação: