WhatsApp, Facebook e Instagram ficam fora do ar para milhares de usuários; ações caem mais de 5%

Site Downdetector teve mais de 20 mil relatos de pessoas comentando sobre falha .

Redação
Compartilhe esta publicação:
Johanna Geron
Johanna Geron

Após falha em redes sociais, Facebook viu ações caírem 5,55%, a US$ 323,97

Acessibilidade


O WhatsApp, Facebook e o Instagram registravam problemas hoje (4), ficando indisponíveis para milhares de usuários, segundo o site de acompanhamento Downdetector.com. A interrupção, que atingiu as plataformas do Facebook minutos antes do meio-dia (no Brasil), ocorre um dia depois de um denunciante acusar a empresa de priorizar repetidamente o lucro em vez de reprimir o discurso de ódio e a desinformação.

O Downdetector mostrou mais de 20 mil incidentes de pessoas relatando problemas no acesso ao Facebook e Instagram. As falhas repercutiram em Wall Street. As ações do Facebook, que é dono dos outros dois aplicativos, registravam queda de 5,55%, a US$ 323,97. Os papéis estão no caminho para registrarem o pior dia em quase um ano, em meio a um movimento mais amplo de venda de ações do setor de tecnologia hoje.

LEIA TAMBÉM: Ações da CVC recuam 5,8% após ataque cibernético

“Estamos cientes de que algumas pessoas estão tendo dificuldades para acessar o aplicativo do Facebook. Estamos trabalhando para normalizar o funcionamento o mais cedo possível, e pedimos desculpas pelo inconveniente”, escreveu a empresa no Twitter.

O Facebook estava inacessível porque os usuários não estavam sendo direcionados ao local correto pelo DNS (Sistema de Nomes de Domínio). O próprio Facebook controla as configurações relevantes. O DNS permite que os endereços da web levem os usuários aos computadores onde estão as informações que procuram. Uma interrupção semelhante na empresa de computação em nuvem Akamai Technologies derrubou vários sites em julho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Especialistas em segurança que acompanham a situação disseram que a interrupção provavelmente foi provocada por um erro de configuração que deixou as direções para os servidores do Facebook indisponíveis. Isso poderia ser o resultado de um erro interno, embora uma ação de sabotagem interna seja teoricamente possível. Um ataque externo é considerado menos provável pelos especialistas. Por outro lado, um ataque maciço de negação de serviço que poderia derrubar um dos sites mais populares do mundo exigiria a coordenação entre grupos criminosos poderosos ou uma técnica muito inovadora.

O Facebook reconheceu que os usuários estavam tendo problemas para acessar seus aplicativos, mas não forneceu quaisquer especificações sobre a natureza do problema ou quantos foram afetados pela interrupção. “Estamos trabalhando para fazer as coisas voltarem ao normal o mais rápido possível e pedimos desculpas por qualquer inconveniente”, escreveu o Facebook no Twitter cerca de 30 minutos após os primeiros relatos dos problemas no acesso.

A resposta do Facebook ficou muito mais difícil porque os funcionários perderam o acesso a algumas de suas próprias ferramentas durante a falha, disseram pessoas que acompanham o assunto. Mais tarde, o Downdetector, site que apenas rastreia interrupções de serviços coletando relatórios de status de uma série de fontes, incluindo erros enviados por usuários, mostrou que houve mais de 50 mil incidentes de pessoas relatando problemas com o Facebook e Instagram.

A interrupção pode estar afetando um grande número de usuários. Enquanto isso, a plataforma de mensagens instantâneas do Facebook, WhatsApp, também caiu para mais de 35 mil usuários, enquanto o Messenger caiu para quase 9.800 usuários. O Facebook experimentou paralisações generalizadas semelhantes com seu pacote de aplicativos este ano, em março e julho. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: