Berkshire Hathaway, do bilionário Warren Buffett, lucra menos por causa da cadeia global de abastecimento

O lucro operacional cresceu 18%, mas ficou abaixo das previsões dos especialistas.

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


A Berkshire Hathaway de Warren Buffett afirmou hoje (6) que perturbações à cadeia de abastecimento global limitaram a sua capacidade de gerar lucro e que o aumento do preço das ações a levou a vender alguns papéis e reforçar a sua receita em caixa a um nível recorde.

O lucro operacional cresceu 18%, mas ficou abaixo das previsões dos especialistas. Um ressurgimento de casos de Covid-19 alimentado pela variante Delta do coronavírus causou escassez de bens e diminuiu os gastos dos consumidores. Danos do Furacão Ida e enchentes na Europa aumentaram as perdas na seguradora de automóveis Geico e outras unidades de seguros.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O resultado líquido, enquanto isso, caiu 66%, refletindo ganhos menores de participações de ações, como Apple e Bank of America Corp.

A Berkshire recomprou US$ 7,6 bilhões de suas próprias ações no terceiro trimestre e US$ 20,2 bilhões este ano. O aumento dos preços no mercado de ações fez com que comprar empresas inteiras ficasse cada vez mais caro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As recompras, que pareceram continuar em outubro, sugerem que Buffet, bilionário de 91 anos, vê mais valor em seu próprio conglomerado sediado em Omaha, Nebraska, cujos negócios incluem a ferrovia BNSF e a unidade de energia homônima.

“Um dos grandes jogos é saber qual a próxima grande aquisição da Berkshire”, afirmou Cathy Seifert, analista da CFRA Research, com uma classificação de “aguarde” à Berkshire.

“Eu acho que acabamos de ver: ele comprou de volta US$ 20 bilhões das suas próprias ações.”

A Berkshire também tem vendido ações e se desfez de cerca de US$ 2 bilhões a mais em papéis do que comprou no trimestre. Terminou setembro com US$ 149,2 bilhões em dinheiro ou equivalentes.

“Espero que haja mais recompras porque não há muita evidência de que este capital está sendo colocado para trabalhar”, disse Jim Shanahan, analista da Edward Jones & Co que classifica a Berkshire como “compre”.

O lucro operacional no terceiro trimestre cresceu para US$ 6,47 bilhões ou cerca de US$ 4,331 por ação Classe A, de US$ 5,48 bilhões, ou cerca de US$ 3,488 por papel, um ano antes.

Analistas, no geral, projetam US$ 4,493 por ação, segundo a Refinitiv I/B/E/S.

O resultado líquido caiu para US$ 10,3 bilhões, ou US$ 6,882 por ação Classe A, de US$ 30,1 bilhões.

Buffett acredita que grandes oscilações trimestrais em resultados líquidos são geralmente insignificantes e causadas por regras de contabilidade que ele não controla. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: