Bradesco supera estimativas com aceleração do crédito e menores provisões

O lucro recorrente, que exclui itens extraordinários, cresceu 34,5% sobre um ano antes, para R$ 6,767 bilhões.

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Bradesco divulgou hoje (4) lucro do terceiro trimestre pouco acima das expectativas dos analistas e elevou as projeções para crédito e receita de tarifas para 2021.

O lucro recorrente, que exclui itens extraordinários, cresceu 34,5% sobre um ano antes, para R$ 6,767 bilhões, acima da estimativa média de R$ 6,469 bilhões compilada pela Refinitiv.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O Bradesco previu que sua carteira de crédito crescerá entre 14,5% e 16,5% neste ano, ante projeção anterior de 9% a 13%. As receitas de tarifas devem crescer de 2% a 6%, disse o banco, ante projeção anterior de alta de 1% a 5%.

O presidente-executivo do banco, Octavio de Lazari, disse que a mudança refletem a volta das operações para os níveis anteriores à pandemia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Apesar de algumas incertezas, quando olhamos no retrovisor, vemos que a pandemia ficou para trás”, afirmou no relatório.

A carteira de crédito do Bradesco cresceu 16,4% em relação ao ano anterior e 6,5% no trimestre, impulsionada pelos cartões de crédito, crédito imobiliário e segmento corporativo.

A receita líquida com juros, uma medida dos ganhos com empréstimos menos custos com captação, aumentou 2,7% em relação ao ano anterior, para R$ 15,7 bilhões, apesar dos menores ganhos da tesouraria.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE), indicador da rentabilidade dos bancos, cresceu um ponto percentual em relação ao trimestre anterior, para 18,6%.

O lucro do banco também foi ajudado por menores provisões para perdas com empréstimos, que caíram 39,9% em relação ao ano anterior, uma vez que o aumento esperado da inadimplência devido à crise provocada pela pandemia não se concretizaram.

O índice de inadimplência acima de 90 dias ficou quase estável, em 2,6%. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: