China pressiona Didi a deslistar ações em Wall Street

O regulador afirmou, que o pré-requisito para o relançamento de aplicativos da empresa na China, incluindo o de carona, é que a Didi concorde com a deslistagem em Nova York..

Redação
Compartilhe esta publicação:

Brendan McDermid/ReutersReguladores chineses pressionaram altos executivos da Didi Global a elaborar um plano de deslistagem de suas ações na Bolsa de Valores de Nova York devido a preocupações com a segurança de dados, disseram à Reuters duas pessoas com conhecimento do assunto.

Acessibilidade


A Administração de Ciberespaço da China (CAC) pediu ao comando da empresa, que no Brasil é dona da 99, que retirasse as ações da bolsa por receios de vazamento de dados confidenciais, disse uma das pessoas.

O órgão também quer que a companhia se comprometa a resolver a questão do fechamento de capital dentro de um determinado período de tempo, disse a pessoa. O regulador afirmou, de acordo com uma fonte, que o pré-requisito para o relançamento de aplicativos da empresa na China, incluindo o de carona, é que a Didi concorde com a deslistagem em Nova York.

As propostas em consideração incluem uma operação direta para tornar a empresa privada ou uma segunda listagem em Hong Kong seguida da saída da bolsa nos Estados Unidos, disse a pessoa.

Em julho, a CAC ordenou que as lojas virtuais removessem 25 aplicativos operados pela Didi – poucos dias depois de a empresa listar suas ações em Nova York. O órgão também solicitou à Didi que parasse de registrar novos usuários, citando a segurança nacional e o interesse público. A Reuters informou no início deste mês, citando fontes, que a Didi está se preparando para relançar seus aplicativos no país até o final do ano, prevendo que a investigação de segurança cibernética sobre a empresa estaria encerrada até então.

Nem a Didi nem a CAC responderam aos pedidos de comentários da Reuters. O pedido dos reguladores para a deslistagem daDidi foi noticiado mais cedo pela Bloomberg. As ações de investidores da empresa, SoftBank Group e Tencent Holdings caíram mais de 5% e 3,1%, respectivamente, após a notícia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O SoftBank Vision Fund detém 21,5% da Didi, seguido pela Uber, com 12,8%, e pela Tencent, que possui 6,8% de participação, de acordo com um documento divulgado em junho pela empresa.

Se o processo de deslistagem andar, os acionistas provavelmente receberão pelo menos o preço do IPO, de 14 dólares por ação, uma vez que uma oferta mais baixa poderia gerar processos judiciais ou resistência dos investidores, já que a abertura de capital foi há poucos meses, em junho, afirmou a reportagem, citando fontes.

Até a última quinta-feira, as ações da Didi caíam 42% desde o IPO, para 8,11 dólares.

A empresa entrou em conflito com as autoridades chinesas quando avançou com sua listagem em Nova York, apesar dos pedidos para que suspendesse a operação enquanto uma revisão de segurança cibernética de suas práticas de dados era conduzida, disseram fontes à Reuters.

Logo depois, a CAC iniciou uma investigação sobre a Didi por coleta e uso de dados pessoais. O órgão afirmou que os dados foram coletados ilegalmente.

Na época, a Didi disse que havia parado de registrar novos usuários e faria alterações para cumprir as regras de segurança nacional e de uso de dados pessoais. Além disso, a empresa disse que protegeria os direitos dos usuários.

As gigantes de tecnologia da China estão sob intenso escrutínio do Estado, diante de questões de monopólio e gerenciamento de vastos dados de consumo, enquanto o governo tenta controlar o domínio das empresas, após anos de crescimento irrestrito.

 

(Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: