De estagiária a presidente: Renata Vichi, da Kopenhagen, aposta no frescor da entrada de herdeiros desde jovens nos negócios

Em entrevista à Forbes, a empresária afirma que a presença de herdeiros trabalhando desde novos nos negócios familiares pode fazer toda a diferença para a companhia.

Mariângela Castro
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Após a entrada na empresa, a empresária foi responsável por criar a marca Brasil Cacau

Acessibilidade


Renata Vichi começou a trabalhar na Kopenhagen, empresa de chocolates controlada pelo seu pai, Celso Moraes, aos 16 anos, como estagiária de marketing. Passou pela diretoria de marketing e comercial, vice-presidência, e apenas aos 38 anos, em março de 2020, ela assumiu a presidência do negócio que se tornou o Grupo CRM, dono também das marcas Chocolates Brasil Cacau e Kop Koffee.

Em entrevista à Forbes, a empresária afirma que a presença de herdeiros trabalhando desde novos nos negócios familiares, como foi o seu caso, pode fazer toda a diferença para a companhia.

“Quando o herdeiro começa a trabalhar cedo, há uma junção valiosa de experiência das gerações anteriores com atitude das gerações novas”, diz. “Eu cheguei à Kopenhagen com uma pauta diferente, provocando o sistema e quebrando o status quo. Hoje, a CRM tem muito mais cara de Renata do que de Celso.”

Após a entrada na empresa, a empresária foi responsável por criar a marca Brasil Cacau, em 2009, e Kop Koffee, em 2019. Com isso, o negócio deixou de ser apenas Kopenhagen para se tornar um grupo completo. “Em 2009, existia um momento econômico muito favorável para o consumo da classe D. Eu via o limite de expansão da Kopenhagen, que já tinha 200 lojas, e não queria fazer dele algo limitante. Então surgiu a Brasil Cacau”, relembra.

Renata liderou a criação de uma nova marca com o objetivo de “democratizar o chocolate de qualidade no Brasil”, em suas palavras. A proposta era voltada para consumo e, conforme enxerga hoje, foi possível graças à experiência que teve trabalhando desde jovem.“Para mim foi essencial começar na empresa já jovem, trazendo frescor para a operação”, diz.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nos 25 anos de trabalho na CRM até aqui, Renata acredita que um dos maiores aprendizados e dificuldades foi evoluir no papel de liderança. “Eu era um general, sempre fui muito disciplinada e um pouco extremista”, relembra. Ela afirma que hoje 80% de seu tempo é voltado para gestão de pessoas e para fazer com que seus funcionários se apaixonem pelo negócio. “Empresas que retêm bons talentos são empresas com lideranças mais atuais, voltadas para inspiração”, argumenta.

Apesar da trajetória desde nova na empresa, Renata acredita que seu filho, de 15 anos, não deve seguir a família no Grupo CRM. “Acho que ele vai para um caminho de finanças. Eu fui muito incentivada a ser quem eu quisesse ser, então tento fazer o mesmo com ele”, diz.

Em 2021, a CRM cresceu 35% em relação a 2019 e abriu cem novas lojas. A meta para 2022 é inaugurar mais cem e crescer nos canais digitais. Além de presidir a empresa, a executiva também faz parte do conselho de administração da varejista Arezzo.

Compartilhe esta publicação: