Forbes Radar: Ser Educacional, Eletrobras, Vibra e outros destaques corporativos

Últimas notícias sobre: Ser Educacional, Eletrobras, Vibra Energia, Cosan, Embraer, Apple, Petrobras e Xiaomi.

Mariangela Castro
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (24):

A Ser Educacional anuncia a criação de uma fintech voltada para o ensino superior brasileiro com objetivo de inserir os alunos no mercado financeiro. A operação começará a funcionar já em dezembro deste ano.

A Eletrobras assinou um contrato com a CEEE-T para a compra de fatia de 49% na Transmissora Sul Litorânea de Energia, por R$ 217,55 milhões. O pagamento deverá ocorrer no prazo de 30 dias, com transferência de ações da estatal elétrica.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ser Educacional (SEER3)

A Ser Educacional anunciou na manhã de hoje (24) a criação de uma fintech de contas digitais voltada para o ensino superior. A startup se chamará b.Uni e tem como objetivo oferecer soluções financeiras digitais para os estudantes e inserir os alunos no mercado financeiro. O valor da operação não foi divulgado.

Eletrobras (ELET6)

A Eletrobras informou em fato relevante ontem (24) que a CGT Eletrosul assinou contrato com a CEEE-T para a compra de fatia de 49% na Transmissora Sul Litorânea de Energia (TSLE), por R$ 217,55 milhões. A empresa havia informado sobre a operação em maio, quando um acordo definitivo ainda dependia de outros passos.

O pagamento da CGT Eletrosul à CEEE-T deverá ocorrer no prazo máximo de 30 dias contados desde ontem, quando será realizada a transferência das ações.

Com a implementação da operação, a CGT Eletrosul passa a deter 100% do capital social da TSLE e irá promover futuramente a incorporação da SPE, conforme a estratégia da empresa que visa a racionalização das participações societárias.

Vibra Energia (BRDT3)

A Vibra Energia anunciou aos acionistas a implementação das condições previstas no Acordo de Renegociação de Dívida da empresa com a Companhia de Eletricidade do Amapá, com assinatura de contrato de compra e venda de ações e outros avanços.

Com isso, a Vibra estima impacto positivo de R$ 353 milhões nos resultados da Companhia de Eletricidade, com R$ 184 milhões por meio de cessão de recebíveis da Aneel e R$ 169 milhões por meio de recebimentos com taxas de CDI + 2,7% ao ano, incidentes sobre o saldo devedor. O acordo também encerra litígio fiscal com o Estado do Amapá.

Cosan (CSAN3)

A Cosan aprovou ontem (23) alteração na diretoria da companhia. A partir de 2 de janeiro, Marcelo Eduardo Martins assumirá a posição de vice-presidente de Estratégia. O executivo focará o trabalho na alocação de capital da empresa e de suas investidas. O cargo de diretor-vice-presidente financeiro e de Relações com Investidores passará a ser ocupado por Ricardo Lewin.

Embraer (EMBR3)

A Embraer assinou ontem (23) um contrato com o Centro Aeroespacial Real da Holanda para colaboração estratégica relacionada à pesquisa aeroespacial. A parceria inclui desenvolvimento de tecnologia e inovação em sistemas de defesa e espaciais, aviação geral, MRO (Centro de Manutenção de Aeronaves da Embraer), mobilidade aérea e sustentabilidade.

Apple (AAPL34)

A Apple anunciou na terça-feira (23) que abriu processo contra a empresa israelense de software de espionagem NSO Group e sua controladora OSY Technologies sob a acusação de monitoramento ilegal de usuários de produtos da companhia. A norte-americana afirmou que também está buscando impedir que a NSO utilize qualquer software, serviço ou aparelho da companhia norte-americana para evitar novos casos de abuso.

A NSO é acusada de driblar a segurança de produtos destas companhias e vender a governos estas técnicas na forma de ferramentas de invasão de sistemas eletrônicos. A empresa não comentou o assunto, mas afirmou anteriormente que apenas vende produtos para autoridades e agências de espionagem e que toma medidas para evitar abusos.

No processo, a Apple afirma que as ferramentas da NSO foram usadas em “esforços coordenados em 2021 para mirar e atacar clientes” da companhia e que “cidadãos norte-americanos têm sido espionados pelo spyware da NSO”. A Apple afirma ainda que a NSO criou mais de cem contas de usuários falsas da companhia para promover os ataques.

Petrobras (PETR4)

A Petrobras bateu recorde de transbordo de cargas de GNL (gás natural liquefeito) neste ano, com um total de 104 operações até 4 de novembro, em meio a importações em patamares históricos para atender a forte demanda de térmicas diante de uma grave crise nos reservatórios de hidrelétricas.

Em comunicado ontem (23), a empresa disse ter a expectativa de atingir um total de 120 transbordos de cargas de GNL entre embarcações (STS ou Ship-to-Ship) por meio de seus terminais de regaseificação até o fim deste ano. Leia aqui a notícia completa.

Xiaomi (HKG: 1810)

A Xiaomi divulgou um aumento de 8,2% na receita do terceiro trimestre, menor do que o esperado, uma vez que o crescimento das vendas de smartphones estagnou em meio à competição cada vez mais intensa com rivais.

A empresa afirmou ontem que as vendas de smartphones, de onde obtém a maior parte da receita, aumentaram 0,4%, para 47,8 bilhões de iuanes (7,49 bilhões de dólares) nos três meses até 30 de setembro. As remessas trimestrais de smartphones caíram 5,8% no ano, de 46,6 milhões de unidades para 43,9 milhões de unidades. A empresa apontou a escassez global de chips como a causa do declínio. Leia aqui a notícia completa.

Compartilhe esta publicação: